Valor da ressonância magnética e da ultrassonografia na avaliação da articulação temporomandibular em pacientes com artrite idiopática juvenil

Valor da ressonância magnética e da ultrassonografia na avaliação da articulação temporomandibular em pacientes com artrite idiopática juvenil

Título alternativo The value of magnetic resonance and ultrasound evaluation of temporomandibular joint in juvenile idiopathic arthritis
Autor Souza, Soraia Ale Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Fernandes, Artur da Rocha Corrêa Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivos: avaliar a articulacao temporomandibular (ATM) pelo ultrassom (US) em pacientes com artrite idiopatica juvenil (AIJ) correlacionando com a ressonancia magnetica (RM). Avaliar e graduar o realce sinovial pela RM em pacientes com AIJ e associa-lo a presenca de atividade inflamatoria. Metodos: no estudo com US foram avaliadas 92 criancas e adolescentes com AIJ atraves de exames de US e RM. Foram avaliadas presenca de efusao, morfologia da cabeca mandibular e presenca de fluxo ao Power Doppler. As mesmas variaveis morfologicas foram avaliadas a RM. A presenca de fluxo ao US Power Doppler foi comparado ao realce sinovial na RM com contraste intravenoso. Na avaliacao especifica do realce sinovial pela RM foram estudadas 75 criancas e adolescentes, graduando-se o realce sinovial em tres padroes de acordo com a somatoria do realce em torno da cabeca da mandibula, dado em graus: leve (<90°); moderado (90-180°) e intenso (>180°). Correlacionou-se os tipos de realce aos subtipos de atividade clinica da doenca. Resultados: no estudo com US houve predominio do sexo feminino (68,5%), media de idade de 12,7 anos (5-20 anos), e tempo medio de doenca de 5,8 anos (6 meses a 17 anos). Na avaliacao da cabeca da mandibula, 27,2% de alteracoes detectadas a RM nao foram caracterizadas ao US. Para o derrame articular na RM, essa percentagem atingiu 29,3% e, em 67%, o realce sinovial estava presente e sem correlacao ao US Power Doppler. O US nao detectou derrame articular ou sinal de fluxo ao Power Doppler em nenhum dos casos em que a RM mostrou derrame articular e realce sinovial. No estudo da graduacao do realce sinovial houve predominio do sexo feminino (66,7%), media de idade de 12,4 anos (6-19 anos), idade media ao diagnostico inicial da doenca de 6,2 anos (1-14 anos) e tempo medio de duracao da doenca de 5,9 anos (6 meses a 17 anos). Quanto ao subtipo clinico, 39 (52%) eram oligoarticular e 36 (48%), poliarticular/sistemico. Realce sinovial foi encontrado em 65 (86,7%) pacientes, bilateral em 58 (77,3%), com tendencia de realce intenso em pacientes poliarticulares/sistemicos (p=0,076). Conclusoes: O US e um metodo de imagem de facil execucao, rapido e de baixo custo, mas nao permite diagnostico seguro de atividade de doenca na ATM em AIJ. Na ATM, o realce sinovial pela RM foi muito frequente nos diferentes subtipos clinicos avaliados. O realce sinovial intenso parece ser indicador de doenca em atividade
Palavra-chave Artrite Juvenil
Articulação Temporomandibular
Imagem por Ressonância Magnética
Ultrassonografia
Arthritis, Juvenile
Temporomandibular Joint
Magnetic Resonance Imaging
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 49 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 49 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22211

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta