Prevalencia de anemia e estado nutricional de criancas e adolescentes residentes em comunidades da Regiao Amazonica

Prevalencia de anemia e estado nutricional de criancas e adolescentes residentes em comunidades da Regiao Amazonica

Título alternativo Prevalence of anaemia and nutritional status in children and adolescents living in communities of the Amazon Region
Autor Paoli, Daniela Sartori Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Fundamento: A anemia e uma das mais importantes defiCiências nutricionais, atingindo cerca de 25% da populacao mundial. A anemia prejudica o crescimento, facilita a instalacao de processos infecciosose dificulta o aprendizado. A Amazonia e considerada uma area de fome endemica, caracterizada pela presenca de defiCiências nutricionais, sendo a anemia uma das principais consequencias dessas carencias. Desta forma, torna-se fundamental a monitorizacao das condicoes de Saúde e nutricao nesta regiao. Objetivo: Avaliar o a prevalencia de anemia e o estado nutricional em criancas e adolescentes residentes em cinco comunidades da Regiao Amazonica, sendo quatro ribeirinhas, localizadas no Municipio de Afua-PA, e uma de origem quilombola, localizada na area de protecao ambiental (APA) do Municipio de Curiau-AP. Metodos: Estudo transversal conduzido com 246 criancas e adolescentes de ambos os sexos, de 0 a 228 meses. As variaveis estudadas foram: sexo, idade, peso, estatura, Z-score IMC, Z-score E/I, niveis de hemoglobina para tres faixas etarias (0-59, 60-119, >120) e tipo da comunidade. Foram consideradas anemicas as criancas com hemoglobina inferior a 11,0g/dL, na faixa etaria de seis a 59 meses. Naquelas de 60 meses a 11 anos, o valor estabelecido foi <11,5g/dL. Foram considerados anemicos os adolescentes do sexo feminino com hemoglobina abaixo de 12mg/dL e do sexo masculino, entre 12 e 14 anos, quando abaixo de 12mg/dL e acima de 15 anos quando abaixo de 13mg/dL. Resultados: As prevalencias de anemia foram maiores do que 50% para as tres faixas etarias estudadas (53,62% 66,32% e 65,85%), sendo que a maior prevalencia foi encontrada entre 60 e 119 meses. Em relacao ao estado nutricional, observou-se que 80% deles eram eutroficos, 18% apresentavam excesso de peso e apenas 2% magreza. Foi encontrada associacao significante entre anemia e estado nutricional, apontando maior Z escore de IMC como fator de protecao contra a doenca (OR: 0,72; IC: 0,57- 0,91; p: 0,004). Alem disso, identificou-se que residir em comunidade quilombola era fator de risco para anemia, comparando-se com as comunidades ribeirinhas (OR: 7,50; IC: 1,72-32,69; p: 0,001). Conclusao: Quanto ao estado nutricional, observou-se que a maioria apresentava eutrofia e que havia maior percentual de criancas e adolescentes com excesso de peso do que com diagnostico de magreza. A prevalencia de anemia entre as criancas e os adolescentes foi alta (62,63%), considerada um grave problema de Saúde publica. Foi Foram considerados fatores de risco para anemia, apresentar menor valor do escore Z do IMC e pertencer a comunidade quilombola
Assunto Humanos
Criança
Adolescente
Estado Nutricional
Fatores de Risco
Anemia
Humanos
Criança
Adolescente
Idioma Português
Data 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 71 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 71 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22200

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)