Programa de exercicio fisico nao supervisionado para mulheres com hipertensao arterial atendidas em unidade de Saúde da periferia de São Paulo

Programa de exercicio fisico nao supervisionado para mulheres com hipertensao arterial atendidas em unidade de Saúde da periferia de São Paulo

Título alternativo No supervised exercise program for women with arterial hypertension in a primary health care public unity in a suburban area of the city of São Paulo: impact on quality of life
Autor Migliorini, Carlos Augusto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: a atividade fisica parece atuar como adjuvante no tratamento de pacientes com hipertensao arterial sistemica (HAS). Entretanto, seu efeito na qualidade de vida (QV) destes pacientes e pouco conhecido. Objetivo: avaliar o efeito de um programa de atividade fisica nao supervisionada na QV de mulheres com HAS seguidas num programa de Saúde da familia. Metodos: o estudo incluiu 67 mulheres de familias de baixa renda com hipertensao arterial, acompanhadas por um programa de Saúde da familia; 35 (49,1±1,56 anos) no grupo exercicio e 32 no grupo controle (52,4±2,19 anos). Exercicios, aerobio e anaerobio foram prescritos para o grupo exercicio durante 16 semanas. Foram avaliados a QV pelo questionario SF-36 e o desempenho fisico. Testes t pareado, Wilcoxon, Mann-Whitney e qui-quadrado foram usados; significante se p<0,05. Resultados: apos o treinamento o grupo exercicio melhorou significantemente a QV em varios dominios: capacidade funcional (p=0,001), limitacao por aspectos fisicos (p=0,001), vitalidade (p=0,001), aspectos sociais (p=0,005), Saúde metal (p=0,032), dor (p=0,025), estado geral de Saúde (p=0,011) e limitacao por aspectos emocionais (p=0,000). A proporcao de melhora da QV foi maior nas mulheres do grupo exercicio em capacidade funcional, limitacao por aspectos fisicos, dor e limitacao por aspectos emocionais (p<0,05). A aderencia foi de 82.8% com melhora na escala de Borg (teste graduado) de 15,4±1,9 to 14,6±1,1 (p<0,05), estagio atingido de 5,5±0,8 to 6,2±1,0 (p<0,05), teste de flexibilidade de Wells de 22,5±8,7 para 25,1±8,2 (p<0,05) resistencia muscular dos membros inferiores de 17,1±4,3 to 21,2±5,2 (p<0,05). Conclusao: exercicio fisico nao supervisionado pode melhorar a QV de mulheres com hipertensao arterial atendidas num programa de Saúde da familia
Palavra-chave Feminino
Hipertensão
Exercício
Qualidade de Vida
Centros de Saúde
Estratégia Saúde da Família
Mulheres
Feminino
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 124 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 124 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22165

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta