Rastreamento de diversos tipos de imunodefiCiências primarias em pacientes com lupus eritematoso sistemico

Rastreamento de diversos tipos de imunodefiCiências primarias em pacientes com lupus eritematoso sistemico

Autor Perazzio, Sandro Felix Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: O Lupus Eritematoso Sistemico (LES) e sabidamente associado com defiCiência de C1q, C4 e C2. Existe maior prevalencia de lesoes discoides (2,7%) e LES (0,5%) na Doenca Granulomatosa Cronica (DGC). A DefiCiência Seletiva de IgA foi associada com LES formas juvenil (5,2%) e adulta (2,6%). Cerca de 25% dos pacientes com ImunodefiCiência Comum Variavel (IDCV) desenvolvem manifestacoes autoimunes, incluindo LES. Apesar de haver relatos de ImunodefiCiências Primarias (IDP) individuais em LES, nao ha estudos sistematicos em adultos estimando a fracao de lupicos que apresentem qualquer IDP. Objetivos: 1) Estimar a importancia relativa da presenca de IDP no LES mediante pesquisa de um conjunto de IDP. 2) Comparar as caracteristicas clinicas dos pacientes lupicos com e sem evidencias de IDP. Materiais e metodos: 300 pacientes LES (de acordo com os criterios de 1997 do Colegio Americano de Reumatologia) e 301 doadores de sangue foram avaliados clinicamente e submetidos a dosagem do complemento total hemolitico (CH100), C2, C3, MBL, determinacao do numero de copias de genes de C4A e B, mensuracao serica dos isotipos de imunoglobulinas e subclasses de IgG e quantificacao da explosao respiratoria de neutrofilos. Aqueles que apresentaram alguma alteracao indicativa de IDP foram submetidos a uma nova avaliacao em 60 dias para confirmacao. Para os casos com reducao de C2 serico, foi realizada a genotipagem por PCR para confirmacao. Aqueles com reducao isolada de CH100 foram submetidos a determinacao de niveis sericos de C1q. Casos com exames alterados e em quem a doenca estava ativa foram seguidos e submetidos a repeticao dos exames em fase de remissao ou excluidos do estudo se esta nao fosse atingida ate o final do projeto. O diagnostico de IDP foi definido de acordo com o o2009 International Union of Immunological Societies Expert Committee on Primary Immunodeficiencieso. Resultados: Foram encontrados 84 pacientes e 10 controles sadios com diagnostico de IDP (p<0,001). Considerando qualquer exame alterado, incluindo baixos niveis sericos de IgE e/ou MBL, esta frequencia foi ainda maior (53%), mas tambem houve consideravel aumento da prevalencia no grupo controles sadios (35,9%). O grupo LES apresentou frequencia mais alta de IDP simultaneas. Nos pacientes, houve frequencia significativamente maior de DefiCiência de IgM (DIgM; n=24=8%) e defiCiência de subclasses (DSubIgG), especialmente IgG2 (n=37=12,3%), IgG3 (n=24=8%) e IgG4 (n=11=3,6%). Encontramos apenas uma paciente com padrao compativel com status de carreadora do gene mutado para DGC (0,33%). Nao foram encontrados casos de IDCV, DGC, Sindrome Hiper-IgM, Sindrome Hiper-IgE, defiCiência de C2, C1q e C4 nesta serie. Como esperado, houve alta frequencia de hiperimunoglobulinemia nos lupicos (44% vs 10%, p<0,001), porem apenas devido a IgA (n=75) e IgG (n=106). Os niveis sericos de IgA e IgG foram significativamente mais elevados no grupo LES, enquanto os de IgM e IgE foram mais baixos, comparados aos controles sadios. Houve ainda a reducao isolada de C3 em um paciente. Os pacientes apresentaram menos copias de C4 total, em especial C4A. Os subgrupos de lupicos com e sem evidencia de IDP nao diferiram entre si quanto as manifestacoes clinicas, infeccoes, uso de imunossupressores, idade de inicio da doenca, duracao da doenca, presenca de comorbidades, SLEDAI e indice de dano do SLICC. Os pacientes com DIgM e os com >2 copias de C4A apresentaram-se com maior frequencia de ulceras orais, enquanto aqueles com DSubIgG com mais nefropatia lupica, em especial os casos de DIgG3 e DIgG4. Conclusoes e Discussao: Houve alta frequencia de IDP em geral no LES (28%), sugerindo que um estado de imunodefiCiência pode representar um fator de risco para a doenca. A presenca de IDP per se nao caracterizou diferenca no fenotipo do LES, mas as defiCiências de IgM e de subclasses de IgG associaram-se com manifestacoes especificas da doenca. A frequencia inesperadamente alta de DIgM e DSubIgG parece indicar um aspecto intrigante da fisiopatologia do LES, uma vez que tais Ig sao importantes para a formacao de imunocomplexos e o clearance de patogenos e corpos apoptoticos. Baixos niveis desses componentes podem induzir a um estado de hiperestimulo imunologico e favorecer o desenvolvimento da autoimunidade em individuos geneticamente predispostos. Nossos resultados sugerem que em uma fracao expressiva dos pacientes com LES a fisiopatologia da enfermidade esteja associada a um estado subjacente de imunodefiCiência
Palavra-chave Humanos
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico/imunologia
Síndromes de Imunodeficiência
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 138 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 138 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22122

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta