Avaliacao de familias de criancas que trabalham na rua em São Paulo

Avaliacao de familias de criancas que trabalham na rua em São Paulo

Autor Maciel, Mariana Rangel Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Criancas em situacao de trabalho de rua formam um grupo numeroso em nosso pais e representam um grave problema social e de Saúde publica. Poucos dados relativos a Saúde mental desta populacao podem ser encontrados, e dados internacionais apontam para graves problemas de Saúde fisica e mental, assim como alta exposicao a situacoes de violencia. Este trabalho analisou uma populacao de familias de criancas que foram identificadas trabalhando na ruas de bairros de alta renda da cidade de São Paulo e referidas pela prefeitura a organizacao nao governamental Rukha. Esta ONG realiza intervencao familiar com o objetivo de eliminar o trabalho infantil. Nosso objetivo foi avaliar a Saúde mental das criancas incluidas na intervencao e verificar que fatores estavam associados com maior nivel de problemas de Saúde mental. Avaliamos tambem a violencia sofrida por estas criancas, tanto no ambiente urbano quanto domestico. Mensuramos o grau de violencia precoce sofrida pelos cuidadores das criancas, a fim de verificar se aqueles que sofreram violencia em sua infancia ou adolescencia eram tambem mais violentos com seus filhos. Dentre 191 criancas avaliadas, 126 trabalhavam na rua e 65 eram irmaos que nao trabalhavam. O cuidador principal era a mae em 92.7% dos casos. Sessenta e dois por cento das criancas apresentaram rastreamento positivo para problemas de Saúde mental, e os fatores que foram estatisticamente significantes para contribuir com tal aumento foram: sofrer violencia grave no ambiente domestico, presenca de sintomas depressivos e ansiosos no cuidador, ausencia do companheiro vivendo no lar, e baixo nivel de funcionamento familiar. Em relacao a abuso fisico grave em ambiente domestico, 62% dos cuidadores referiram realizar tal tipo de agressao com seus filhos. Sofriam mais violencia as criancas que estavam trabalhando na rua, do sexo masculino, e que tinham rastreamento positivo para sintomas de Saúde mental. Cuidadores que relataram ter sofrido abuso sexual e negligencia emocional em sua infancia foram mais violentos com seus filhos, indicando um padrao intergeracional de transmissao da violencia. Em relacao a violencia urbana, mais da metade da amostra relatou ter presenciado agressao fisica, prisoes, ouvido disparos de arma de fogo. Houve diferenca entre as criancas que trabalhavam na rua e seus irmaos que nao trabalhavam em apenas duas perguntas: as primeiras referiram ter visto mais trafico de entorpecentes (34.2 vs. 24.6%), e as ultimas referiram ter presenciado alguem ser agredido na rua em mais ocasioes (75.4 vs. 54.1%). Estes dados apontam para a importancia do ambiente domestico e da estrutura familiar na genese desse importante problema social. Intervencoes voltadas para erradicacao do trabalho infantil nas ruas devem levar em conta o padrao intergeracional de violencia e de problemas de Saúde mental.
Palavra-chave Criança
Adulto
Trabalho de Menores
Saúde Mental
Fatores de Risco
Relações Familiares
Questionários
Violência Doméstica
Violência
Criança
Adulto
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 58 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 58 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22114

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta