Efetividade da oxibutinina no tratamento de mulheres com hiperidrose plantar persistente após simpatectomia videotoracoscópica

Efetividade da oxibutinina no tratamento de mulheres com hiperidrose plantar persistente após simpatectomia videotoracoscópica

Título alternativo Oxybutynin effectiveness in women with persistent plantar hyperhidrosis after thoracoscopic sympathectomy
Autor Costa Junior, Altair da Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Leão, Luiz Eduardo Villaça Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A hiperidrose e uma doenca relativamente comum, que acomete ate 1% da populacao.A simpatectomia por video-toracoscopia promove melhora dos sintomas em 80 a 95% dos casos. A sudorese plantar associada pode permanecer mesmo apos a operacao em cerca de 50% dos pacientes e a sudorese compensatoria em 70%. Objetivo: Nosso objetivo foi avaliar a efetividade da oxibutinina no tratamento da hiperidrose plantar persistente, na sudorese compensatoria e na qualidade de vida em mulheres ja submetidas a simpatectomia toracica. Metodo: Foi realizado um estudo prospectivo randomizado para comparar a oxibutinina, 10 mg por dia, com placebo. Criterios de inclusao: mulheres com hiperidrose plantar persistente com limitacao de suas atividades habituais; indice de massa corporea < 25 kg/m2, idade entre 18 e 40 anos. Fizemos a avaliacao atraves de questionarios de qualidade de vida para a hiperidrose, questionario especifico para hiperidrose plantar e sudorese compensatoria. A medida objetiva do suor foi realizada com um dispositivo para mensurar a perda de agua transepidermica por evaporacao (PTEA), o Vapometer. Resultados: Foram incluidos 32 pacientes em dois grupos, placebo e oxibutinina. Os dados antes do tratamento entre os grupos nao mostraram diferenca estatistica significante e a hipotese de nulidade foi mantida pelo teste de Mann-Whitney U. Os questionarios mostraram diminuicao nos sintomas e melhora da qualidade de vida com o uso da oxibutinina. Dados pre-tratamento do questionario de qualidade de vida: 40,4; hiperidrose plantar: 70,6 e sudorese compensatoria: 62,2. Apos o tratamento: 17,5; 19,4 e 21,3 respectivamente, com p = 0,001. No grupo placebo, obtivemos melhora discreta, porem com p entre 0,09 e 0,018. As medidas da PTEA no grupo placebo nao mostraram diferenca, p entre 0,95 e 0,24. No grupo oxibutinina observamos uma reducao dos valores, com p entre 0,001 e 0,03. O efeito colateral mais comum foi a boca seca, em todos os pacientes no grupo oxibutinina (100%). No grupo placebo, observou-se o mesmo efeito colateral em 43,8% dos pacientes, p = 0,001. Outros sintomas descritos foram constipacao intestinal e sonolencia, porem sem diferenca estatistica significante. Na avaliacao subjetiva, os questionarios do grupo placebo mostraram diferenca no tratamento, pois o efeito placebo foi evidente, inclusive com efeitos colaterais relatados em quase metade das pacientes. Conclusao: Este estudo mostrou que a oxibutinina foi efetiva no tratamento da hiperidrose plantar persistente, na sudorese compensatoria e com melhora na qualidade de vida das mulheres ja submetidas a simpatectomia toracica. Os questionarios de hiperidrose plantar e sudorese compensatoria (costas e abdome) tambem identificaram melhora clinica apos o tratamento
Assunto Humanos
Feminino
Hiperidrose
Parassimpatolíticos
Antagonistas Muscarínicos
Simpatectomia
Humanos
Feminino
Idioma Português
Data 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 149 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 149 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22018

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)