Dieta enteral nao industrializada para pacientes em terapia nutricional domiciliar

Dieta enteral nao industrializada para pacientes em terapia nutricional domiciliar

Título alternativo Enteral non industrialized nutrition therapy for patients in household: Physical chemical and nutritional parameters, effect on anthropometry and biochemical indices, reproducibility on household preparation and microbiological quality
Autor Santos, Valdirene Francisca Neves Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Dietas enterais industrializadas tem sido consideradas a melhor opcao terapeutica para pacientes impossibilitados de alimentar-se por via oral, entretanto, quando administradas por longo periodo encarecem o tratamento, levando familias e hospitais a optar pela utilizacao de formulas nao ndustrializadas.Objetivou-se o desenvolvimento e padronizacao de duas formulacoes enterais nao industrializada (F1 e F2) adequadas quanto a composicao nutricional e concentracao osmolar, de facil preparo e reproducao, de menor custo, e microbiologicamente segura e avaliar o efeito, das formulacoes, sobre os indices antropometricos e bioquimicos, no inicio e no final da intervencao, de 33 pacientes de clinica medica sob assistencia domiciliar e comparar os indices antropometricos com outros pacientes em condicoes similares que utilizam exclusivamente dieta industrializada. Nas formulacoes, foram utilizados como ingredientes maltodextrina (155/155 g), albumina (25/48g), proteina do soro do leite ( 30/15g)e oleo vegetal (29/58 g), os quais foram dissolvidos, em uma jarra plastica, em agua fervida (820 ml), para um rendimento de 1.000 ml. As quantidades foram padronizadas utilizando-se como medidores copos plasticos descartaveis de agua e cafezinho. A formulacao foi submetida a analises fisico-quimicas para a determinacao de proteina, lipidio, carboidrato, energia e osmolalidade e, a analises microbiologicas, para determinacao das contagens de bacterias mesofilas facultativas e de coliformes totais e fecais. Compostos de minerais e vitaminas foram preparados, segundo as quantidades padronizadas para dietas enterais, em farmacia de manipulacao e adicionados a formulacao proposta. Pacientes em dieta enteral nao industrializada, preparada com alimentos oin naturao, entraram ao acaso no estudo (GE). Pacientes em dieta industrializada foram pareados por genero, idade e diagnostico medico (grupo controle uGC) aos pacientes GE. O estudo foi constituido por sessenta e seis pacientes, sendo trinta e tres em cada grupo. Em ambos os grupos, havia 18 pacientes do genero masculino e 15 do genero feminino. A avaliacao antropometrica consistiu da tomada de medidas da estatura, peso, circunferencia do braco e prega cutanea triciptal. A cada trinta dias, uma nova avaliacao antropometrica foi realizada. Exames laboratoriais de hemoglobina e proteinas totais e fracoes foram realizados nos pacientes do GE, uma no inicio e outra no final. O periodo medio de acompanhamento de cada paciente, nos dois grupos (GE e GC), foi de tres meses. As formulacoes desenvolvidas apresentaram-se homogeneas, com aspecto uniforme, nao ocorrendo separacao de fases apos o preparo. Os teores encontrados de agua, macronutrientes e energia foram: Umidade: 73,5/70%; Proteina: 4,4/6,4%; Lipidio: 4,3/6,2%; Carboidrato: 16,9/18,2%; Energia: 120/150 calorias por 100 ml. A distribuicao percentual dos macronutrientes em relacao a energia da formulacao F1 e F2 foram: Proteina: 14/17%; Lipidio: 31/40%; Carboidrato: 55/44%. A concentracao osmolar encontrada foi de 440/450 mOsm/kgH20 . Os resultados microbiologicos atenderam aos padroes legais para os parametros analisados. A analise estatistica nao mostrou diferencas estatisticamente significantes entre o GE e o GC para as variaveis idades e diagnostico medico. Nos pacientes do GE nos dois generos, as medidas antropometricas apresentaram resultados significantemente maiores no final do acompanhamento quando comparadas aquelas iniciais. No GC, nos dois generos, nao houve diferencas estatisticamente significantes entre as medidas iniciais e finais. Tanto no genero masculino como no feminino, nao ocorreram diferencas estatisticamente significantes nos resultados laboratoriais iniciais quando comparados aos finais. Os pacientes do genero feminino do GC e os pacientes do genero masculino do GE e GC nao mostraram diferenca significante entre as proporcoes iniciais e finais abaixo do percentil 5 para os parametros de CB, PCT, AMBc e IMC<18,5. Ao final do acompanhamento, nao houve diferenca estatisticamente significante entre os dois grupos (GE e GC) nas medidas antropometricas avaliadas. A formulacao desenvolvida apresentou adequacao nutricional e microbiologica, tendo as seguintes vantagens: facil preparo, por nao exigir coccao; menor custo; flexibilidade, por permitir o ajuste individual de nutrientes e energia; menor variabilidade na composicao nutricional, pelo uso de medidores padronizados de facil uso, mesmo por cuidadores menos escolarizados; pouca manipulacao exigida no seu preparo, favorecendo a seguranca microbiologica, pelo uso de utensilios descartaveis ou de facil limpeza e desinfeccao
Palavra-chave Humanos
Nutrição Enteral
Terapia Nutricional
Assistência Domiciliar
Antropometria
Manipulação de Alimentos
Controle de Qualidade
Higiene dos Alimentos
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 105 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 105 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22014

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta