Implante vesical de scaffold de acido poliglicolico (PGA) semeado com celulas tronco-autologas derivadas de gordura ou de musculo esqueletico de coelhos

Implante vesical de scaffold de acido poliglicolico (PGA) semeado com celulas tronco-autologas derivadas de gordura ou de musculo esqueletico de coelhos

Título alternativo Bladder implantation of polyglycolic-acid (PGA) scaffold seeded with autologous mesenchymal stem cells derived from rabbitÆs fat and skeletal muscle
Autor Zambon, Joao Paulo Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Avaliar as alteracoes morfologicas e histologicas, induzidas pelo implante de scaffold de acido poliglicolico, semeado com celulas tronco mesenquimais derivadas do tecido adiposo ou do musculo estriado esqueletico, implantado na parede vesical de coelhos. Metodo: As celulas tronco mesenquimais derivadas do tecido adiposo foram obtidas a partir de biopsias da regiao inguinal esquerda, realizadas em oito coelhos machos, da especie Nova Zelandia. As celulas foram processadas em laboratorio, de acordo com protocolo pre-estabelecido. As celulas tronco mesenquimais derivadas do musculo esqueletico foram obtidas a partir de biopsias do musculo tibial anterior esquerdo, realizadas em outros oito coelhos da mesma especie. O processamento dessas celulas tambem foi feito em laboratorio, de acordo com protocolo preestabelecido. As celulas tronco foram coradas com corante fluorescente de membrana celular (Vybrant CM-DiI). Implantamos dois scaffolds na parede vesical de cada animal, sendo um no lado direito (controle), e um no lado esquerdo (scaffold semeados com celulas = construct). Os implantes foram realizados em 16 animais, sendo implantadas celulas-tronco derivadas de gordura em oito animais, e celulas-tronco derivadas do musculo esqueletico em oito animais. Apos quatro e oito semanas, os animais foram sacrificados e realizamos a cistectomia. As bexigas foram avaliadas histologicamente com Hematoxilina & Eosina, Tricromio de Massom e imunohistoquimica com alfa-actina de musculo liso. A localizacao das celulas tronco previamente marcadas foi feita com microscopio de epifluorescencia. Resultados: Os scaffolds nao semeados induziram maior migracao de celulas polimorfonucleares, e menor migracao linfocitos, se comparados aos scaffolds semeados com celulas tronco derivadas de gordura ou de musculo esqueletico, apos 4 semanas (p=0.015 e p=0,017 respectivamente). Apos 8 semanas,os achados foram semelhantes (p=0,011 para celulas tronco derivadas de gordura e p=0,013 para celulas tronco derivadas de musculo esqueletico ). Com relacao a formacao de colageno, observamos que os scaffolds nao semeados induziram maior formacao de colageno apos quatro e oito semanas, se comparados aos scaffolds nao semeados (controles X ADSC p=0,037, controles X MDSC p=0,029 ; controles X ADSC p=0,039; controles X MDSC p=0,035, respectivamente para 4 e 8 semanas). Observamos a presenca de alfa-actina somente nos scaffolds semeados com celulas. A imunofluorescencia demonstrou a presenca de celulas tronco nos locais dos implantes. Conclusoes: Os scaffolds de acido poliglicolico semeados com celulas tronco, induziram maior migracao de linfocitos, menor formacao de colageno, e a formacao de alfa actina nos locais dos implantes
Palavra-chave Animais
Células Mesenquimais Estromais
Células-Tronco
Tecido Adiposo
Músculo Esquelético/citologia
Prostaglandinas A
Bexiga Urinária
Coelhos
Animais
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 70 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 70 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21969

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta