Estrategia Saúde da familia

Estrategia Saúde da familia

Título alternativo Family health strategy: the effectiveness of arterial hypertension control actions
Autor Moraes, Marilucia Mota Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A Hipertensao Arterial Sistemica e um importante problema de Saúde publica, por atingir um grande numero de pessoas, podendo resultar em graves complicacoes, se nao tratada e controlada, necessitando de cuidados profissionais em todos os niveis de atencao a Saúde. A Estrategia Saúde da Familia representa um dos principais modelos de atencao a Saúde, sendo fundamental para a deteccao precoce da hipertensao. Avaliar o desempenho dos servicos e hoje uma importante necessidade para se aprimorar a qualidade dessa atencao. Objetivo: analisar a efetividade das acoes da estrategia Saúde da familia no controle da hipertensao arterial Material e metodo: foram comparadas as fichas do HIPERDIA 2001 com as fichas do recadastramento em 2009, em uma unidade de Saúde da familia em Maceio. Foram incluidos: hipertensos com as fichas do HIPERDIA 2001/2009. Para o preenchimento e a realizacao das medidas foram utilizados os parametros do HIPERDIA, a PA foi verificada pelo metodo indireto. A variavel primaria foi a efetividade das acoes de controle da hipertensao arterial. As variaveis sociodemograficas e clinicas foram descritas por meio de suas distribuicoes de frequencias (n e %) para os dois periodos do estudo, 2001 e 2009. A comparacao entre os niveis pressoricos de 2001 e 2009 foi feita pelo teste qui-quadrado, e a verificacao de mudanca de situacao de pressao entre 2001 e 2009 pelo teste de McNemar e para se verificar a associacao utilizou-se do teste qui-quadrado de Pearson ou teste exato de Fisher. O Nivel de significancia foi de 0,05. O pacote estatistico foi o SPSS, versao 14.0. Os pacientes hipertensos estudados eram 72,0% do sexo feminino, mais de 60,0% tinham mais de 60 anos, mais de 90% com pouca ou nenhuma escolaridade e 70% nao utilizavam fumo e derivados, tanto para 2001 quanto para 2009. Com relacao ao risco cardiovascular: mais de 60% dos pacientes apresentavam risco alto ou muito alto, tanto em 2001 quanto em 2009. Os principais fatores de risco encontrados: sobrepeso/obesidade e sedentarismo. Conclusao: A efetividade foi alcancada. Os pacientes apresentaram 25,2% de pressao arterial controlada em 2001 e este controle foi ampliado para 29,0%, em 2009. Em relacao aos riscos, os pacientes apresentaram as seguintes classificacoes: em 2001, risco baixo representava 12,1%, risco medio 29,9%, risco alto 2,1% e risco muito alto 45,8%; ja em 2009, os mesmos pacientes encontravam-se: sem risco adicional 2,8%, risco baixo 13,1%, risco medio 16,8%, risco alto 13,1%, risco muito alto 54,25%. Quando se comparou os riscos: 45 pacientes com risco baixo ou medio em 2001, 16 (dezesseis) pacientes continuaram com o mesmo risco, no entanto 29 (vinte e nove) evoluiram para o risco alto ou muito alto, enquanto que dos 62 (sessenta e dois) pacientes que em 2001 apresentavam risco alto ou muito alto, 43 permaneceram com este mesmo risco, enquanto que 19 (dezenove) apresentaram risco baixo ou medio em 2009 (p=0,193). Verificou-se que 34 pacientes tiveram suas condicoes modificadas (p= 0,608). O Diabetes mellitus do tipo 2 (p=0,003) e a situacao familiar (p=0,017) estiveram associadas a mudanca da pressao arterial. O sedentarismo e a historia de AVC apresentaram-se estatisticamente associadas a hipertensao (p=0,05) pelo teste de Fisher
Palavra-chave Humanos
Saúde da Família
Hipertensão
Pressão Arterial
Gestão de Riscos
Cuidados de Enfermagem
Humanos
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 81 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 81 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21952

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta