Aspectos neuropsicologicos de criancas de 10 anos de idade, estudantes de escola publica

Aspectos neuropsicologicos de criancas de 10 anos de idade, estudantes de escola publica

Título alternativo Neuropsychological aspects of cognitively normal (Brazilian) ten-year-olds
Autor Osborn, Ellen Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Caracterizar os aspectos neuropsicologicos de criancas de dez anos, da 4 ª serie/5º ano do ensino fundamental de escola publica, sem alteracao cognitiva, e sua relacao com o desempenho na escrita. Comparar esses aspectos, quando possivel, com os de criancas com dificuldade de fala e/ou linguagem, e com os de adultos. Metodos: Foram utilizados dados de avaliacao de 334 individuos selecionados por conveniencia da pesquisadora e distribuidos em tres grupos: grupo normal nao atendido na Fonoaudiologia, vinte e seis estudantes de dez anos de escola publica, que se revelaram cognitivamente adequados nas Matrizes Progressivas de Raven (1992) e responderam a uma serie de questoes extraidas e adaptadas da Bateria Neuropsicologica Luria-Nebraska: versao infantil (Golden, 1987; Antunes et al.,1991) abreviado GNNA; grupo atendido na Fonoaudiologia, constituido de dados coletados em 72 protocolos de avaliacao fonoaudiologica de meninos e meninas, de dez anos, com queixas de dificuldade de fala e /ou de linguagem, abreviado GAF; grupo de adultos acompanhantes, formado por dados de 236 acompanhantes, de 21 a 71 anos de idade (idade media 34,1 e desvio-padrao 8,7), de ambos os sexos, coletados dentre os protocolos de avaliacao de diferentes pacientes atendidos no ambulatorio de Fonoaudiologia, sob a responsabilidade da pesquisadora, abreviado GAF . Estudo transversal (GNNA), e retrospectivo (GAF e GAc). As variaveis analisadas foram: reproducao oral e escrita de texto ouvido, compreensao do texto, nocao visuo-espacial, raciocinio logico por meio da resposta a pergunta das balas e da nocao de oa maiso. Os erros grafemicos foram analisados quantitativamente (numero total de palavras escritas no texto, numero de palavras escritas incorretamente, porcentagem de palavras escritas incorretamente e numero de erros) e qualitativamente (tipo de erro, e desrespeito a principios de codificacao da escrita). Foi usada analise estatistica descritiva e inferencial. Resultados: A maioria das criancas nao atendidas na Fonoaudiologia recontou a historia do urubu e as pombas (69,2%), fez sua inferencia mostrando te-la compreendido (84,6%) e a reproduziu adequadamente por escrito (76,9%). Foram observadas, em media, 14,9% de palavras escritas incorretamente e um coeficiente de 0,179, obtido dividindo-se o valor medio de erros pelo valor medio de palavras escritas. Alem disso, 53,8% tiveram raciocinio logico respondendo a pergunta: Se eu tenho tres balas e voce tem uma a mais do que eu, quantas temosjuntos?, resultado semelhante ao dos adultos acompanhantes (51,5%), e 73,1% tinham uma nocao correta do a mais estatisticamente diferente dos acompanhantes (92,4%). Os escolares de 10 anos de idade, nao atendidos na Fonoaudiologia, responderam cinco de oito itens no teste visuo-espacial, resultado estatisticamente diferente de quatro de oito, obtido pelos GAF, atendidos na Fonoaudiologia. Os meninos apresentaram maior porcentagem significativa de palavras escritas incorretamente do que as meninas. Os tipos de erros grafemicos mais frequentes de GNNA foram oralidade (26,30%), representacao multipla (22,50%) e omissao (18,40%). A Regra C2.16.2 - nasalizacao da vogal em final de silaba nao final de vocabulo, conforme Scliar-Cabral, 2003, foi a mais frequentemente nao respeitada (23,53%) .Um adulto acompanhante que tivesse 9 anos ou mais de escolaridade mostrou uma chance tres vezes maior de acerto na prova de raciocinio logico- prova das balas do que um que tivesse ate 8 anos de escolaridade. Conclusoes: Criancas de 10 anos ou mais velhas compreendem e reproduzem oralmente e por escrito uma historia de tres episodios que lhes tenha sido contada com nao mais de 15% de palavras escritas incorretamente, num total aproximado de 60 palavras ou com coeficiente inferior a 0,2 erros/palavra. Respondem cinco de oito itens na prova visuo-espacial e tem raciocinio logico. Este desempenho atesta que, aos dez anos, as areas terciarias da unidade II e III, estao desenvolvidas em um grande numero de criancas, conforme descrito por Luria (1980). Cabe destacar que a nocao deo a maiso pode ser um preditor de sucesso em tarefas de leitura /escrita. Assim, quando ela estiver ausente em individuos de 10 anos de idade ou mais velhos, podera ser um indicador de inadequacao do desenvolvimento do processo de leitura/escrita
Palavra-chave Humanos
Criança
Adulto
Cognição
Aprendizagem
Matemática
Resolução de Problemas
Humanos
Criança
Adulto
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 122 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 122 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21897

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta