Estrategias de enfrentamento em professores com queixa de voz

Estrategias de enfrentamento em professores com queixa de voz

Título alternativo Coping strategies in teachers with voice complaint
Autor Zambon, Fabiana Copelli Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivos:Compreender as estrategias de enfrentamento utilizadas por professores com queixa de voz, comparar as diferencas entre os que procuram ou nao tratamento fonoaudiologico e verificar a relacao entre enfrentamento e analise perceptivo-auditiva, sinais e sintomas de voz e restricao de participacao e limitacao nas atividades vocais. Metodos: Participaram da pesquisa 90 sujeitos, divididos em tres grupos com idades semelhantes: Grupo 1 (G1) formado por 30 professoras com queixa de voz e que buscaram tratamento fonoaudiologico; Grupo 2 (G2) formado por 30 professoras com queixa de voz e que nunca buscaram tratamento fonoaudiologico; Grupo 3 (G3) formado por 30 professoras sem queixa vocal. Foram realizados os seguintes procedimentos: aplicacao do questionario de identificacao e caracterizacao pessoal e do trabalho, gravacao de material de fala para analise perceptivo-auditiva do desvio vocal, Lista de Sinais e Sintomas de Voz, Protocolo Perfil de Participacao e Atividades Vocais u PPAV e Protocolo de Estrategias de Enfrentamento nas Disfonias u PEED. Resultados: Em relacao a analise perceptivo-auditiva do desvio vocal houve diferenca estatisticamente significante entre os grupos com queixa (G1+G2), que apresentaram vozes desviadas em grau leve a moderado, e o sem queixa que apresentou voz dentro da variabilidade normal da qualidade vocal (media para G1 de 49,9, G2 de 43,7 e G3 32,3; p<0,001). O G1 teve maior media de sinais e sintomas de voz (G1=8,6 G2= 6,6 e G3 apenas 2,0 sintomas; p<0,001) e apresentou maiores escores em quase todas as dimensoes do PPAV (p<0,001), com excecao de efeitos no trabalho e efeitos na comunicacao social. Os individuos com queixa tiveram a tendencia a usar mais estrategias com foco no problema e os que procuraram tratamento fonoaudiologico apresentaram maior escore no PEED (G1=45,4; G2=38,5 e G3=9,5; p<0,001). Os aspectos que tiveram correlacao com o PEED nos tres grupos foram: para G1 grau do desvio vocal, escore total do PPAV e escores parciais auto-percepcao da voz, efeitos na comunicacao diaria, efeitos na emocao e Pontuacao de Restricao na Participacao; no G2 apenas escore total do PPAV e parcial efeitos na comunicacao diaria e G3 todos os dominios do PPAV. Em nenhum grupo os sinais e sintomas tiveram correlacao com o enfrentamento. Conclusao: Professores com queixa de voz usam mais estrategias de enfrentamento com foco no problema, sendo que os que buscam tratamento fonoaudiologico usam um numero ainda maior de estrategias. Os sintomas de voz tem influencia na procura por tratamento fonoaudiologico, porem nao se correlacionam com o enfrentamento em si. De modo geral, quanto maior a percepcao de limitacao e restricao na participacao em atividades vocais, maior o uso de estrategias de enfrentamento
Palavra-chave Voz
Distonia
Distúrbios da Voz
Docentes
Questionários
Fonoterapia
Treinamento da Voz
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2011. 69 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 69 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21757

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta