Caracterização de vesículas extracelulares exportadas pelo fungo

Caracterização de vesículas extracelulares exportadas pelo fungo

Título alternativo Characterization of extracellular vesicles exported by the pathogenic fungus Paracoccidioides brasiliensis: identification of protein sequences, lipids and carbohydrate epitopes
Autor Vallejo, Milene Carmes Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Puccia, Rosana Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Este trabalho resultou no estudo de vesículas extracelulares do fungo patogênico Paracoccidioides brasiliensis na fase de levedura. Estas estruturas foram caracterizadas nos isolados Pb3 e Pb18 que pertencem a grupos filogenéticos diferentes e provocam um perfil distinto de infecção em camundongos B10.A. Vesículas extracelulares de 20 a 200 nm transportam antígenos, como visto nas reações de immunoblot com soro de pacientes com paracoccidioidomicose. Um novo epitopo de α-galactosil foi identificado nas vesículas extracelulares, como também na parede celular e em vacúolos intracelulares P. brasiliensis. Proteínas do sobrenadante de cultura do isolado Pb18 foram separadas em frações de vesículas (ves) e livre de vesículas (ves-free), e analisadas por cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas (LC-MS/MS). Foram identificadas, com dois ou mais peptídeos, 205 proteínas de vesículas, contra 260 de ves-free incluindo 120 compartilhadas. A proporção de proteínas de vesículas e ves-free classificadas como secretadas foi aproximadamente 70%, a maioria utilizando o transporte por vias não convencionais. Analisamos proteínas das frações de vesículas de P. brasiliensis com ortólogos em vesículas de H. capsulatum, C. neoformans e S. cerevisiae. Foram identificadas 72 proteínas de vesículas de Pb18 (35%) com ortólogos em pelo menos duas das outras espécies analisadas. Entre elas, sequências que participam de processos metabólicos de carboidrato e proteína, atividade antioxidante, tradução, sinalização e transporte foram enriquecidos nas vesículas. Com esse trabalho, fornecemos uma comparação completa com outros proteomas de vesículas fúngicas e ampliamos a visão sobre proteomas extracelulares em fungos. Nossa análise lipidômica identificou 36 espécies de fosfolipídeos nas vesículas extracelulares dos isolados Pb3 e Pb18, incluindo fosfatidilcolina, fosfatidiletalonamina, ácido fosfatídico, fosfatidilserina, fosfatidilinositol e fosfatidilglicerol. O ácido graxo C18:1 predominou nas vesículas do Pb3, enquanto nas vesículas de Pb18 o C18:2 foi mais abundante. O esterol predominante nas vesículas de Pb3 e Pb18 foi o brassicasterol, seguido por ergostetol e lanosterol. Foram identificadas nas vesículas dos dois isolados 2 espécies de monohexosilceramidas. As preparações de vesículas de ambos os isolados foram capazes de estimular a produção de citocinas em macrófagos RAW264.7. A produção de TNF-α foi maior em células estimuladas com vesículas do Pb3, ao contrário da expressão de IL-10 que foi maior ao estímulo com vesículas de Pb18. Acreditamos que nosso trabalho adiciona dados ao entendimento futuro da biologia das vesículas extracelulares, incluindo sua biogênese e função na interação patógeno-hospedeiro.
Palavra-chave Paracoccidioides
Paracoccidioidomicose
Vesículas Transportadoras
Proteoma
Lipídeos
Camundongos
Animais
Paracoccidioides
Paracoccidioidomycosis
Transport Vesicles
Proteome
Lipids
Mice
Animals
Idioma Português
Data de publicação 2012
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2012. 163 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 163 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21755

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta