Avaliação do funcionamento de famílias com dependentes de drogas por meio da Family Assessment Measure-III (FAM-III)

Avaliação do funcionamento de famílias com dependentes de drogas por meio da Family Assessment Measure-III (FAM-III)

Título alternativo Drug dependentsÆ family functioning assessment by the Family Assessment Measure-III (FAM III) in a Brazilian sample
Autor Silva, Eroy Aparecida Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Souza-Formigoni, Maria Lucia Oliveira de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Psicobiologia – São Paulo
Resumo A importancia do envolvimento da familia no tratamento de pessoas dependentes de drogas esta bem estabelecida. Metanalises sobre esse tema indicam que intervencoes familiares bem delineadas apresentam resultados melhores do que intervencoes que nao envolvem familiares, tanto na abordagem de adolescentes como na de adultos. Nas diferentes fases do ciclo de vida, a dependencia de drogas afeta o funcionamento familiar, o que aumenta o interesse por instrumentos adequados para avalia-lo antes, durante e depois do tratamento. No Brasil, ha poucos instrumentos validados com essa finalidade. Objetivos: Nesta tese, comparou-se o funcionamento de familias com pessoas dependentes de alcool ou outras drogas ao de familias sem pessoas dependentes, utilizando-se as escalas geral e de autoavaliacao da Family Assessment Measure-III (FAM-III), alem disso estudou-se o funcionamento familiar de pessoas sem problemas com o uso de drogas. Procedimentos: Inicialmente traduziu-se, adaptou-se e validou-se esse instrumento. Para validacao concorrente e analise da confiabilidade do instrumento, utilizou-se uma amostra de criterio de 90 familias sem dependentes de drogas. Para a comparacao do funcionamento das familias com e sem dependentes, selecionou-se um grupo de 32 pessoas com diagnostico de dependencia de drogas que procuraram tratamento especializado, e seus respectivos familiares. Para o grupo controle foram convidadas 32 pessoas com perfil sociodemografico semelhante ao das pessoas dependentes e que nao estavam sob tratamento medico ou psicologico, e seus respectivos familiares. Resultados: Para o estudo de validacao, as escalas foram preenchidas por 90 familias, totalizando 262 pessoas, com idade media de 38 anos (DP ±13), sendo 41% homens e 59% mulheres. A consistencia interna da escala total, assim como a de cada area isoladamente, foi avaliada pelo alfa de Cronbach, e obtiveram-se coeficientes de 0,77 (escala geral) e 0,78 (escala de autoavaliacao), valores considerados adequados. Detectou-se associacao significativa (correlacao de Spearman, rs = 0,57; p < 0,05) entre a classificacao dos escores das areas da FAM-III e a avaliacao do funcionamento familiar baseada na entrevista clinica familiar, considerada padrao ouro. Os escores medios apresentados pelas familias controle nao diferiram significativamente dos padroes internacionais. No estudo comparativo, os pacientes e seus controles eram homens com media de idade de 32 anos que, em sua maioria, viviam com a familia de origem. Os familiares e seus controles eram mulheres (maes, esposas e irmas) com idade media de 46 anos. As pontuacoes atingidas em cada area da escala geral (realizacao de tarefas, desempenho de papeis, comunicacao, expressao afetiva, envolvimento, controle, valores e normas, defesa e adaptacao social) e da escala de autoavaliacao por pacientes e seus familiares foram comparadas com as dos respectivos grupos controles, por meio do teste t de Student. Na escala de avaliacao geral do funcionamento familiar, pacientes dependentes e seus familiares apresentaram medias mais altas que as dos respectivos controles, na maioria das areas. Na escala de autoavaliacao, dependentes e familiares apresentaram perfis antagonicos no comparativo com os controles. Enquanto os dependentes apresentaram escores maiores do que os controles em todas as areas, exceto na de Envolvimento, seus familiares apresentaram escores medios superiores aos dos respectivos controles somente na area envolvimento. Discussao: Este estudo demonstrou a validade e a confiabilidade das versoes brasileiras das escalas geral e de autoavaliacao da FAM-III e corroborou, de modo objetivo, os relatos clinicos de problemas no funcionamento de familias com dependentes. Observou-se que dependentes e seus familiares percebem de maneiras diferentes o funcionamento familiar, indicando que ha necessidade de abordar questoes relacionadas ao envolvimento dos familiares e ao funcionamento familiar no tratamento de dependentes de drogas e na orientacao de seus familiares
Palavra-chave Relações Familiares
Usuários de Drogas
Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias
Validade dos Testes
Reprodutibilidade dos Testes
Questionários
Idioma Português
Data de publicação 2011
Publicado em SILVA, Eroy Aparecida. Avaliação do funcionamento de famílias com dependentes de drogas por meio da Family Assessment Measure-III (FAM-III). 2011. 198 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2011.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 198 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21743

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-12931.pdf
Tamanho: 1.769MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta