Utilizacao de equipamentos de protecao individual por profissionais de Enfermagem durante a administracao de quimioterapia antineoplasica

Utilizacao de equipamentos de protecao individual por profissionais de Enfermagem durante a administracao de quimioterapia antineoplasica

Título alternativo Use of personal protective equipment for Nursing professionals during administration of antineoplastic chemotherapy
Autor Penha, Irena Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A exposicao a quimioterapia antineoplasica, tanto de pacientes que receberam a droga quanto de pessoas que preparam ou administram esses agentes, pode resultar na ocorrencia de toxicidades. Para reduzir tais riscos e necessario que os profissionais de Saúde tenham disponiveis equipamentos de protecao coletiva e individual para essas atividades e adotem rigorosamente as normas de seguranca preconizadas. Objetivos: Verificar a disponibilidade de medidas de protecao coletiva e individual em servicos de quimioterapia do municipio de Recife-PE; descrever a utilizacao dos equipamentos de protecao individual (EPI), por profissionais de enfermagem, durante a administracao da quimioterapia antineoplasica; e investigar as razoes que influenciam o uso ou o nao uso dos EPIs durante tal atividade. Metodo: Estudo descritivo desenvolvido no periodo de abril a julho de 2009, em 13 estabelecimentos de Saúde, publicos e privados, da cidade de Recife-PE, que contavam com servicos de quimioterapia. A amostra foi composta por 121 profissionais de enfermagem, que dentre suas atividades, administravam quimioterapia antineoplasica. Resultados: Todos os servicos de quimioterapia antineoplasica das instituicoes pesquisadas possuiam capela de fluxo laminar classe II, tipo B, para o preparo das drogas. As luvas (100%) e a protecao respiratoria (93,8%) foram os EPIs mais disponibilizados aos profissionais de enfermagem que administravam a quimioterapia antineoplasica. Quanto a frequencia de utilizacao desses equipamentos constatou-se que 28 (23,2%) participantes declararam nem sempre utilizar luvas e 38 (31,4%), nem sempre utilizar a protecao respiratoria durante essa atividade. O avental foi mencionado como nunca utilizado por 81 (66.9,%) sujeitos da pesquisa e a protecao ocular por 97 (80,2%) deles. Falta de interesse, falta de habito e esquecimento foram os principais fatores que contribuiram para as limitacoes no uso das medidas de biosseguranca. A inexistencia de alguns EPIs ou mesmo a existencia destes, porem em desacordo com as especificidades necessarias para seguranca pessoal em caso de uso, ausencia de treinamento previo e/ou periodico, grande fluxo de pacientes e demanda de servico tambem foram achados significativos relacionados a nao adesao a essas medidas. Conclusao: Falhas de natureza organizacional e funcional contribuem para que os profissionais de enfermagem estejam sujeitos a riscos de exposicao ocupacional durante a administracao da quimioterapia antineoplasica
Palavra-chave Antineoplásicos
Saúde do Trabalhador
Riscos Ocupacionais
Equipamentos de Proteção
Proteção Pessoal
Enfermeiros
Auxiliares de Enfermagem
Idioma Português
Data de publicação 2010
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2010. 144 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 144 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21651

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta