Participacao do influxo de calcio e do AMP ciclico na regulacao da contracao do musculo esqueletico

Participacao do influxo de calcio e do AMP ciclico na regulacao da contracao do musculo esqueletico

Título alternativo Role of calcium influx and cyclic AMP in the regulation of the skeletal muscle contraction
Autor Rodrigues, Francisco Sandro Menezes Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A fibra muscular esqueletica e uma celula alongada e multinucleada, cuja principal funcao e a contracao. Em geral, a contracao muscular ocorre apos a ativacao da maquinaria contratil pelo calcio (Ca2+) liberado do reticulo sarcoplasmatico. Todo processo e iniciado com a ativacao de receptores colinoceptivos nicotinicos pos-sinapticos pelo neurotransmissor acetilcolina (ACh) liberado pelo neuronio motor. Sabe-se que drogas que interferem com a via do segundo- ensageiro AMP ciclico (AMPc) potenciam a contracao da musculatura esqueletica. Alem disso, foi demonstrado que o Ca2+ e capaz de modular algumas isoformas da adenilil ciclase (AC), enzima responsavel pela sintese do AMPc. Assim, este trabalho teve por objetivo investigar a participacao do calcio extracelular na potenciacao da contracao muscular induzida pelo AMPc. Para isso, utilizamos preparacoes de musculo diafragma de camundongo submetidas a estimulacao eletrica transmural (para analisar eventuais mudancas na forca de contracao em resposta a variacoes das concentracoes de Ca2+ extracelular e de AMPc. Nossos dados mostraram que a nifedipina (5 μM) e o verapamil (30 e 50 μM), bloqueadores de canais de Ca2+ do tipo L, potenciaram em 11,8%, 18,2% e 40,9%, respectivamente, a contracao induzida por estimulo eletrico. Esse efeito foi mimetizado pela deplecao de Ca2+ extracelular com o agente quelante EGTA 5 mM ou com a substituicao do liquido nutritivo Tyrode normal por Tyrode livre de Ca2+. A ativacao de adrenoceptores β2 pelo agonista isoproterenol (0,003, 0,01, 0,03 e 0,1 μM) tambem potenciou a contracao muscular de maneira concentracao-dependente, sendo o efeito maximo (52,8%) observado na concentracao de 0,1 μM do agonista. Alem disso, o inibidor de fosfodiesterases isobutilmetilxantina (IBMX, 50 μM) tambem potenciou em 11,9 % a contracao muscular. Como a acao do isoproterenol depende da ativacao da AC, cujas isoformas podem ser inibidas pelo Ca2+, avaliamos a interrelacao destes dois sistemas, determinando o efeito do inibidor da AC (SQ 22536) na potenciacao da contracao induzida pela inibicao da fosfodiesterase e pelo bloqueio de canais de Ca2+ do tipo L. A pre-incubacao dos musculos com o inibidor de AC diminuiu o efeito inotropico do verapamil, do EGTA e do IBMX. Esses dados sugeriam que o bloqueio do influxo de Ca2+ aumentava a contracao muscular atraves da desrepressao de AC sensiveis ao Ca2+. Essa hipotese foi comprovada ao demonstrarmos que o verapamil (50 μM) aumentou em 176% a concentracao intracelular de AMPc do musculo diafragma submetido a estimulacao eletrica transmural. Esses dados mostram a participacao efetiva do AMPc na modulacao da contracao muscular, envolvendo AC sensiveis ao Ca2+. Das 10 isoformas da AC ja identificadas sao provaveis participes desse processo as isoformas 5 e/ou 6, cuja ativacao e inibida por concentracoes submicromolar de Ca2+
Palavra-chave Músculo Esquelético
Cálcio
Contração Muscular
AMP Cíclico
Estimulação Elétrica
Camundongos
Idioma Português
Data de publicação 2009
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2009. 72 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 72 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21583

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta