Body Shape Questionnaire e Self Report Questionnaire-20 em funcionários de uma universidade no sul de Minas Gerais

Body Shape Questionnaire e Self Report Questionnaire-20 em funcionários de uma universidade no sul de Minas Gerais

Título alternativo SRQ-20 and BSQ in workers of a university of the south of the state of Minas Gerais
Autor Faria, Gilmara Pereira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Veiga, Daniela Francescato Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Cirurgia Translacional – São Paulo
Resumo Introdução: O tema Qualidade de Vida tem se destacado na literatura científica nos últimos tempos. A imagem corporal e a depressão, como aspectos da qualidade de vida, têm chamado a atenção de profissionais e estudiosos de diversas áreas. Objetivo: Avaliar a imagem corporal e a depressão em trabalhadores de uma universidade do sul do estado de Minas Gerais. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo transversal de um grupo de 582 funcionários da Universidade do Vale do Sapucaí (UNIV ÁS). O Body Shape Questionnaire (BSQ) foi aplicado para avaliar a imagem corporal e o Self Report Questionnaire (SRQ-20) foi aplicado para avaliar a depressão. O teste qui quadrado foi utilizado na análise estatística. Resultados: Dos 582 sujeitos estudados, 524 (90 por cento) não apresentaram depressão e 58 (10 por cento) apresentaram indicativo de tal afecção. Foi observada maior prevalência de depressão no gênero feminino (p = 0,00001) e nos indivíduos com escolaridade abaixo do grau superior (p = 0,02718). Nos dados relativos à imagem corporal, a amostra se comportou da seguinte forma: 525 sujeitos (90,2 por cento) apresentaram ausência de distorção de imagem corporal, 37 (6,4 por cento) apresentaram leve distorção, 13 (2,2 por cento) apresentaram distorção moderada e 7 indivíduos (1,2 por cento) apresentaram grave distorção de imagem corporal. Também foi observada maior prevalência de distorção de imagem corporal no gênero feminino (p = 0,00011) e nos indivíduos com faixa-etária inferior a 50 anos (p = 0,04588). Quando do cruzamento das duas variáveis, observou-se que a distorção de imagem corporal foi um risco para a depressão (p=0,00000). Conclusões: Existe maior risco de prevalência de depressão e distorção de imagem corporal no gênero feminino. A distorção de imagem corporal pode ser um risco para a depressão.
Palavra-chave Qualidade de Vida
Depressão
Imagem Corporal
Trabalhadores
Saúde Mental
Idioma Português
Data de publicação 2006
Publicado em São Paulo/Pouso Alegre: s.n: 2006. 92 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 92 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21417

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta