Fatores associados ao aborto provocado em mulheres em idade fértil com histórico de gestação - São Paulo

Fatores associados ao aborto provocado em mulheres em idade fértil com histórico de gestação - São Paulo

Título alternativo The factors associed to induced abortion in fertile-aged women with gestation record, living in São Paulo
Autor Maldonado, Maria Teresa Muniz Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: O aborto provocado representa um dos problemas de saúde pública mais negligenciados na atualidade. A ilegalidade e o alto custo de serviços seguros, sem dúvida alguma, acabam por traduzirem-se em uma elevada morbidade e mortalidade materna. Não obstante, ao que tudo indica, a recorrência ao aborto provocado é freqüente, a julgar por suas complicações, mas seu perfil epidemiológico é pouco conhecido, em razão de questões sociais, morais e legais que dificultam a abordagem sobre o tema. Objetivo: Determinar os fatores sóciodemográficos associados ao aborto provocado em mulheres em idade fértil, com histórico de gestação, residentes em São Paulo. Material e Métodos: Trata-se de uma análise conjunta de três inquéritos domiciliares transversais conduzidos em amostras aleatórias de mulheres em idade fértil com idade de 15 a 49 anos, com histórico de gestação (NV ou aborto provocado), residentes na Vila Madalena (1987 e 2000) e na Cidade de São Paulo (1993). Como instrumento de pesquisa, foram usados questionários aplicados por entrevistadoras treinadas em VM (1987), CSP (1993) e de autopreenchimento na VM (2000). A variável dependente foi ter provocado ou não, ao menos, um aborto e as variáveis independentes foram: anos de estudo, situação conjugal, uso de métodos contraceptivos, número de nascidos vivos, defasagem entre filhos tidos e o número ideal de filhos, opiniões frente à pratica do aborto, tipo de abordagem e local de residência. Resultados: Dentre as 2.805 mulheres entrevistadas, 15,1 por cento (423 mulheres) declararam ter provocado aborto alguma vez durante sua vida reprodutiva. Os principiais resultados, revelaram que em conjunto: a abordagem indireta (OR=2,3) favorece à declaração mais fidedigna; ser solteira é um fator de risco; não possuir quaisquer restrições à prática do aborto provocado, também, favorece sua realização, quanto mais privilegiado em termos econômicos, há mais recorrência ao aborto; quanto menor número de NV maior a prática do aborto provocado. Ademais, há interações entre número de NV com situação conjugal e opinião sempre favorável. Conclusão: As mulheres, no início da vida reprodutiva, estão mais expostas ao risco de abortar e devem ser privilegiadas pelo acesso ao Planejamento Familiar.
Assunto Aborto induzido
Gravidez não desejada
Renda
Idioma Português
Data 2006
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2006. 80 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 80 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21341

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)