Acidentes ocupacionais com material biológico em profissionais da Saúde: avaliação da incidência, dos fatores associados e da resistência genotípica do vírus da imunodeficiência humana aos anti-retrovirais em pacientes fonte de acidentes

Acidentes ocupacionais com material biológico em profissionais da Saúde: avaliação da incidência, dos fatores associados e da resistência genotípica do vírus da imunodeficiência humana aos anti-retrovirais em pacientes fonte de acidentes

Título alternativo Occupational accidents with biological material among healthcare workers:incidence, related factors and genotypic resistance of human immunodeficiency virus to antiretroviral drugs among source patients
Autor Destra, Alessandra Santana Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Medeiros, Eduardo Alexandrino Servolo de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Infectologia - São Paulo
Resumo Objetivo: Avaliar a incidência e as variáveis relacionadas aos acidentes ocupacionais com material biológico em profissionais da área da saúde (PAS); determinar o perfil de resistência aos anti-retrovirais (ARV) dos pacientes-fonte de acidentes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e avaliar a aderência e os eventos adversos (EA) relacionados aos ARV utilizados como quimioprofilaxia. Metodologia: Para avaliar a incidência e as variáveis relacionadas aos acidentes ocupacionais do complexo Hospital São Paulo - UNIFESP/EPM foram considerados os acidentes notificados e acompanhados pelo Programa de Atendimento de Acidentes com Material Biológico (PAAMB) durante o período de 01 de outubro de 1992 a 31 de outubro de 2005. A partir de fevereiro de 2003, foi implantado um protocolo para avaliar o perfil de resistência aos ARV dos pacientes-fonte de acidentes com infecção pelo HIV. Amostras de sangue destes pacientes foram colhidas e encaminhadas aos Laboratórios de Retrovirologia e Virologia da Disciplina de Infectologia da UNIFESP. As amostras foram submetidas a testes laboratoriais incluindo contagem de células CD4 (citometria de fluxo), carga viral para o HIV (NucliSens – Biomerieux, Lion, França) e genotipagem (análise pela base de dados Beta Test, disponível no site da Universidade de Stanford - http://hivdb.stanford.edu). Os PAS que utilizaram quimioprofilaxia para o HIV, além do acompanhamento sorológico, tiveram seguimento clínico e laboratorial durante e após o uso de ARV por estarem sujeitos à ocorrência de EA. Para esta análise foram considerados os acidentes ocorridos de fevereiro de 2003 a outubro de 2005. Resultados: Foram notificados 3.720 acidentes no período do estudo. Notamos um aumento gradativo de exposições notificadas com o decorrer dos anos. A categoria profissional em que a exposição ocorreu com maior frequência foi a enfermagem (42,8%) e a maioria dos casos foram de exposições pérfurocortantes (80,3%). Foram avaliados os perfis de resistência aos ARV de 46 pacientes-fonte de acidentes com infecção pelo HIV. A presença de resistência a algum ARV foi observada em 23 (50%) pacientes-fonte com HIV, sendo que 21 (45,6%) deles apresentavam resistência a no mínimo um ARV indicado xvii como profilaxia pelas diretrizes mais atuais do CDC (2001, 2005) e do Ministério da Saúde (2004). Para comparar o esquema de ARV prescrito como profilaxia com o perfil de resistência do HIV foram avaliadas 28 circunstâncias. Observamos a resistência de no mínimo um ARV utilizado como profilaxia em oito circunstâncias (28,6%). Destes, três apresentaram resistência a todos os ARV prescritos, o que demonstra que em todos estes casos houve risco de aquisição do vírus devido à falha da quimioprofilaxia. Um elevado número de PAS apresentou EA relacionado à quimioprofilaxia contra o HIV. Felizmente a utilização da quimioprofilaxia prescrita ocorreu na maioria das circunstâncias (73%), a substituição por outro esquema ocorreu em 23,5% dos casos. Houve a necessidade de interrupção da profilaxia por EA em apenas dois casos (3,9%). Das exposições descritas neste estudo, não houve nenhum caso de transmissão do HIV, do vírus da hepatite tipo B e tipo C. Um caso de aquisição do vírus da hepatite tipo B pós-exposição ocupacional ocorreu no complexo Hospital São Paulo – UNIFESP/EPM, porém, esta exposição não foi notificada. A detecção deste caso foi através de uma investigação em conjunto com o Serviço de Medicina Ocupacional, que relatou o fato considerando a ausência de outros riscos para aquisição da infecção. Conclusão: Um elevado número de acidentes ocupacionais com material biológico ocorreu neste serviço. Desta forma, consideramos de extrema importância os esforços direcionados à prevenção destas exposições. Encontramos uma taxa elevada de resistência aos ARV nos pacientes-fonte de acidentes o que demonstra a necessidade de revisão das padronizações nacionais referentes à profilaxia com ARV. O atendimento rápido do PAS com EA por profissionais capacitados foi fundamental na adesão à profilaxia.

Objective: To analyze the incidence and the factors related to occupational accidents with biological material among healthcare workers (HCWs); to determine the resistance profile of human immunodeficiency virus (HIV) to antiretroviral drugs among source patients; and to evaluate adherence and adverse events (AE) of antiretroviral drugs used as postexposure prophylaxis (PEP). Methodology: For the evaluation of incidence and variables related to occupational accidents in the Hospital Sao Paulo - UNIFESP/EPM complex, accidents reported and followed by the Program of Assistance for Accidents with Biological Material (PAABM) during the period between 1 October 1992 and 31 October 2005 were considered. In February 2003, a protocol was established for the evaluation of the resistance profile to antiretroviral drugs among HIV-infected source patients. Blood samples were collected from the patients and sent to the Retrovirology and Virology Laboratory of the Infectology Department of UNIFESP. The samples were submitted to laboratorial analysis which included counting of CD4 cells (flow cytometry), HIV viral load (NucliSens – Biomerieux, Lyon, France), and genotyping (analysed with the Beta test database, available at the Stanford University site http://hivdb.stanford.edu). Serological, clinical and laboratorial follow-up was provided for HCWs submitted to HIV PEP, during and after antiretroviral used, due to their risk of AE. These analysis included accidents reported between February 2003 and October 2005. Results: A total of 3,720 accidents were reported during the period considered. A gradual increase in the frequency of reported accidents along the years was observed. Exposure was more frequent among nursing staff (42.8%), and most of the cases were due to percutaneous injuries (80.3%). The antiretroviral resistance profile of 46 HIV-infected source patients was evaluated. Resistance to at least one of the antiretrovirals was observed in 23 (50%) of the HIVinfected source patients, and 21 cases (45.6%) presented resistance to at least one of the antiretrovirals used for prophylaxis, according to the most recent Centers for Disease Control and Prevention (2001, 2005) and Brazilian Ministry 87 of Health (2004) guidelines. The antiretroviral drugs recommended for prophylaxis and the HIV resistance profile were compared in 28 cases. Resistance to at least one of the antiretrovirals used for prophylaxis was observed in eight cases (28.6%). In three of them, resistance to all prescribed antiretrovirals was observed, showing that in these cases there was a risk of infection with HIV due to a failure of the chemoprophylaxis. A high number of HCWs presented AE related to HIV PEP. Fortunately, in most of the cases (73%) the prescribed chemoprophylaxis was used, and in 23.5% of the cases it was replaced by other antiretroviral drugs. Prophylaxis had to be interrupted due to AE in only two cases (3.9%). Transmission of HIV, B or C hepatitis virus was not observed in any of the cases of exposure described in this study. One case of contamination with hepatitis B virus in post-occupational exposure occurred in the Hospital Sao Paulo - UNIFESP/EPM complex, but was not reported. The case was detected in an investigation performed with the Service of Occupational Health, during which the case was reported due to the absence of other risks for the infection. Conclusion: A high number of occupational accidents with biological material were observed in this study, indicating the fundamental importance of efforts aiming at the prevention of exposure. A high level of antiretroviral resistance was observed among source patients, showing the need to review national standards relative to antiretroviral prophylaxis. The rapid assistance of HCWs presenting AE by trained professionals was of fundamental importance for adherence to prophylaxis.
Palavra-chave Riscos Ocupacionais
Ocupações em Saúde
Acidentes e Eventos Biológicos
Idioma Português
Financiador Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Número do financiamento CNPq: 304350/2005-2
Data de publicação 2006
Publicado em DESTRA, Alessandra Santana. Acidentes ocupacionais com material biológico em profissionais da Saúde: avaliação da incidência, dos fatores associados e da resistência genotípica do vírus da imunodeficiência humana aos anti-retrovirais em pacientes fonte de acidentes. 2006. 105 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2006.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 105 f.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21297

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-21297.pdf
Tamanho: 689.8KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta