Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade induzida pela cisplatina em modelo experimental

Mostrar registro simples

dc.contributor.advisor Cruz, Oswaldo Laércio Mendonça [UNIFESP]
dc.contributor.author Kasse, Cristiane Akemi [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2015-12-06T23:44:27Z
dc.date.available 2015-12-06T23:44:27Z
dc.date.issued 2006
dc.identifier.citation São Paulo: [s.n.], 2006. 84 p.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21266
dc.description.abstract Maytenus ilicifolia é uma planta sul americana, muito estudada por apresentar várias propriedades medicinais como analgésica, anti-inflamatória, anti-tumoral, anti¬ ulcerosa e antioxidante. Estas características despertaram interesse em estudar uma possível ação otoprotetora do seu extrato através do mecanismo de bloqueio da produção de radicais livres. Objetivo: Padronizar um método de estudo de ototoxicidade induzida pela cisplatina e medicamentos otoprotetores, através de estudo eletrofisiológico, em cobaias albinas. A partir deste modelo, verificar a possível ação otoprotetora do extrato aquoso de Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade por cisplatina. Método: cobaias fêmeas, albinas divididas em 5 grupos, avaliados através do exame de emissões otoacústicas por produtos de distorção e potencial de tronco encefálico pré e pós ¬medicação. Os grupos foram divididos em: Grupo 1: 10 cobaias utilizando 1 g/kg do EA por dia, 24 horas antes do início do esquema de cisplatina, até o sexto dia. Grupo 2: 5 cobaias utilizando 3 g/kg do EA por dia, 24 horas antes do início do esquema de cisplatina, até o sexto dia. Grupo 3:.10 cobaias com 3 doses de cisplatina no primeiro, quinto e sexto dias, intraperitoneal, na dose de 7,5 mg/kg/d. Grupo 4:.10 cobaias utilizando somente o EA 3 g/kg por 7 dias. Grupo 5: 5 cobaias com EA 1g/d 2 semanas antes do início da cisplatina e na terceira semana quando foi administrada a cisplatina.Resultados: as cobaias com uso exclusivo da cisplatina apresentaram alterações em ambos os exames, com aumento do limiar no PTE e ausência de resposta na emissão otoacústica. Os mesmos efeitos foram observados nas cobaias submetidas ao mesmo tratamento de cisplatina associado ao extrato aquoso, independente da dose e do tempo. O uso somente do extrato aquoso, não alterou os exames. Conclusões: os exames de emissões otoacústicas por produtos de distorção e potencial evocado de tronco foram eficazes na avaliação da função auditiva. A dose de 7,5 mg/kg/d, intraperitoneal, em 3 intervalos distintos, em cobaias albinas foi eficiente para induzir a ototoxicidade pela cisplatina. Apesar do efeito antioxidante da Maytenus ilicifolia, o EA não se mostrou eficiente para bloquear o efeito ototóxico da cisplatina.
dc.format.extent 84 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Maytenus pt
dc.subject Cisplatino pt
dc.subject Efeitos colaterais e reações adversas relacionados a medicamentos pt
dc.title Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade induzida pela cisplatina em modelo experimental pt
dc.title.alternative Maytenas ilicifolia to prevent cisplatin ototoxicity: experimental model en
dc.type Tese de doutorado
dc.identifier.file epm-20061024082458GARCIA.pdf
dc.description.source BV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campus São Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM) pt



Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples