Sensibilização a alérgenos inalantes e alimentares em crianças brasileiras atópicas, pela determinação in vitro de IgE total e específica: Projeto Alergia (PROAL)

Sensibilização a alérgenos inalantes e alimentares em crianças brasileiras atópicas, pela determinação in vitro de IgE total e específica: Projeto Alergia (PROAL)

Título alternativo Sensitization to inhalant and food allergens in Brazilian atopic children by in vitro total and specific IgE assay: Allergy Project - PROAL
Autor Naspitz, Charles Kirov Autor UNIFESP Google Scholar
Solé, Dirceu Autor UNIFESP Google Scholar
Jacob, Cristina Miuki Abe Autor UNIFESP Google Scholar
Sarinho, Emanuel Autor UNIFESP Google Scholar
Soares, Francisco J. P. Autor UNIFESP Google Scholar
Dantas, Vera Autor UNIFESP Google Scholar
Mallozi, Marcia Carvalho Autor UNIFESP Google Scholar
Wandalsen, Neusa Falbo Autor UNIFESP Google Scholar
Borges, Wellington Autor UNIFESP Google Scholar
Rocha Filho, Wilson Autor UNIFESP Google Scholar
Grupo Proal Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Grupo PROAL
Resumo OBJECTIVE: To determine the frequency of sensitization to inhalant and food allergens in children seen at Brazilian allergy services. PATIENTS AND METHODS: Total and specific IgE serum levels to inhalant and food allergens (RAST, UniCAP® - Pharmacia) were measured in 457 children accompanied in pediatric allergy services and in 62 control children age matched. RAST equal or higher than class 1 was considered as positive (R+). RESULTS: Frequency of R+ was significantly higher among atopics (361/457, 79%) when compared to controls (16/62, 25.8%). There were no differences according to gender. The frequency of R+ to all allergens evaluated were higher among atopics when compared to controls. Significantly higher total IgE serum levels were observed among the atopics with R+ in comparison to those with R-. The frequency of R+ to main inhalant allergens were: D. pteronyssinus = 66.7% x 14.5% (p < 0.05), D. farinae = 64.5% x 17.8% (p < 0.05), B. tropicalis = 55.2% x 19.4% (p < 0.05), cockroach = 32.8% x 9.7% (p < 0.05), and cat = 12% x 8.1%. In relation to food allergens we observed: fish = 29.5% x 11.3% (p < 0.05), egg = 24.4% x 4.8% (p < 0.05), cow's milk = 23.1% x 3.2% (p < 0.05), wheat = 20% x 8.1% (p < 0.05), peanuts = 14% x 4.8% (p < 0.05), soy = 11.8% x 4.8% (p < 0.05), and corn = 10.6% x 4.8% (p < 0.05). With respect of age, food allergen sensitization predominates in young children whereas the inverse occurs with inhalant allergens. CONCLUSIONS: There was a predominant frequency of sensitization to inhalant allergens, mainly house dust mites in the evaluated patients. Food allergens were also responsible for a significant proportion of sensitization, mainly in infants.

OBJETIVO: Determinar a freqüência de sensibilização a alérgenos inalantes e alimentares em crianças atendidas em serviços brasileiros de alergia. PACIENTES E MÉTODOS: IgE sérica total e específica (RAST) a alérgenos inalantes e alimentares (UniCAP® - Pharmacia) foram determinados em 457 crianças acompanhadas em serviços de alergia pediátrica e em um grupo de controles (n = 62). Resultados classe igual ou maior que 1 foram considerados positivos (R+). RESULTADOS: A freqüência de R+ foi significantemente maior entre os atópicos (361/457, 79%) quando comparados aos controles (16/62, 25,8%). Não houve diferenças quanto ao sexo. A prevalência de R+ entre os atópicos foi significantemente maior para todos os alérgenos avaliados. Os níveis séricos de IgE total foram significantemente mais elevados entre os atópicos com R+ quando comparados aos com R-. Comparando-se atópicos e controles, a freqüência de R+ para os principais alérgenos inalantes foi como segue: D. pteronyssinus = 66,7 versus 14,5% (p < 0,05), D. farinae = 64,5 versus 17,8% (p < 0,05), B. tropicalis = 55,2 versus 19,4% (p < 0,05), barata = 32,8 versus 9,7% (p < 0,05) e gato = 12 versus 8,1%. Com os alimentos, observou-se: peixe = 29,5 versus 11,3% (p < 0,05), ovo = 24,4 versus 4,8% (p < 0,05), leite de vaca = 23,1 versus 3,2% (p < 0,05), trigo = 20 versus 8,1% (p < 0,05), amendoim = 14 versus 4,8% (p < 0,05), soja = 11,8 versus 4,8% (p < 0,05) e milho = 10,6 versus 4,8% (p < 0,05). Segundo a idade, os R+ aos alimentares predominaram entre as crianças mais jovens, e o inverso ocorreu com os inalantes. CONCLUSÕES: Nesta população, predominou a sensibilização aos aeroalérgenos, sobretudo aos ácaros domiciliares, e os alimentos foram importantes em crianças mais jovens.
Palavra-chave Allergy
allergen
IgE
mite
food
Alergia
alérgeno
IgE
ácaro
alimento
Idioma Português
Data de publicação 2004-06-01
Publicado em Jornal de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 80, n. 3, p. 203-210, 2004.
ISSN 0021-7557 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Pediatria
Extensão 203-210
Fonte http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1184
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0021-75572004000400008 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/2126

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0021-75572004000400008.pdf
Tamanho: 187.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta