Carvão ativado como marcador de linfonodo sentinela em ratos

Carvão ativado como marcador de linfonodo sentinela em ratos

Título alternativo Activated carbon as sentinel mode marker in rats
Autor Videira, Renata Valim de Souza Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Oliveira Filho, Renato Santos de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Cirurgia translacional - São Paulo
Resumo Introdução: A reprotutibilidade do encontro do linfonodo sentinela (LS) está demonstrada utilizando-se o mapeamento linfático com corante vital e / ou detecção gama intra-operatória. Tanto o corante como o radiofármaco são injetados intradermicamente próximo do tumor ou da cicatriz de biópsia. Ambos, o corante vital e o radiofármaco não são marcadores permanentes. Dissipam-se em minutos ou horas, passam pelo LS e vão para outros linfonodos. Assim sendo, eles não podem ser identificados no exame histopatológico. Uma substância que permaneça por vários dias ou semanas cumpriria o papel de um marcador permanente do LS. Objetivo: Verificar o tempo de permanência do carvão ativado no LS. Métodos: Sessenta ratas da linhagem Wistar EPM1 foram separadas em três grupos de 20 animais cada e todas foram submetidas à injeção de carvão ativado na face ventral da pata direita. No chamado grupo G1 os animais foram submetidos à biópsia de linfonodo sentinela utilizando-se azul patente V um dia depois da injeção do carvão ativado. Nos grupos G7 e G21, tal procedimento foi realizado no 7º e 21º dias após a injeção do carvão ativado. O LS de cada animal foi submetido a exame histopatológico convencional (HE) para pesquisa da presença de carvão ativado intralinfonodal. Resultados: Em todos os animais o LS foi encontrado e estava corado em preto. O estudo histopatológico confirmou a presença do carvão ativado em todos os linfonodos dos três grupos. A distribuição do carvão ativado intralinfonodal no grupo G1 ix foi maior em seio subcapsular e com o passar do tempo, nos grupos G7 e G21 houve significativo predomínio em seio medular. Estes achados apresentaram significância estatística pelo teste qui-quadrado. Conclusão: O carvão ativado identifica o LS e nele permanece por no mínimo 21 dias

Introduction: The reprotuctibility of the sentinel node biopsy procedure is demonstrated by using lymphatic mapping or gamma probe detection alone or combined. Both the vital dye and the radiopharmaceutical are intradermally injected near the tumour or biopsy scar. The vital dye and radiopharmaceutical are not permanent markers. They spread out in minutes or hours, o through the sentinel node and go to other lymph nodes. For the reason, they could not be identified by a histopathological exam. Therefore, a substance that would remain for several days or weeks could be a permanent sentinel node marker. Objective: To verify the permanence of the activated carbon in the sentinel node. Methods: Sixty WISTAR EPM-1 rats were divided in three groups of 20 animals each. All of them were submitted to an activated carbon injection in the ventral region of the right posterior foot. In group G1, the animals were submitted to sentinel node biopsy using patent blue V one day the after activated carbon injection. In groups G7 and G21 that procedure was done in the 7th and 21th. Days, respectively after the activated carbon injection. The sentinel node of each animal was submitted to conventional histopathological exam (HE) to identify activated carbon in the sentinel node. Results: The sentinel node was dyed in black and was found in all the animals. The histopathological exam confirmed the presence of activated carbon in all sentinel nodes of the three groups. The distribution of activated carbon in the sentinel node of group G1 xi was predominated in the subcapsular area. In groups G7 and G21 the activated carbon was present predominantly in the medullary sinus. These findings were statistically significant by χ 2 test. Conclusion: The activated carbon identifies the sentinel node and remains for at least 21 days.
Palavra-chave Biópsia de Linfonodo Sentinela
Carvão Vegetal
Projetos de Pesquisa
Idioma Português
Data de publicação 2005
Publicado em VIDEIRA, Renata Valim de Souza. Carvão ativado como marcador de linfonodo sentinela em ratos. 2005. 62 f . Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2005.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 62 f.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21105

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-21105.pdf
Tamanho: 748.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta