Possíveis interações entre estados depressivos e discinesia orofacial em camundongos

Possíveis interações entre estados depressivos e discinesia orofacial em camundongos

Título alternativo Possible interactions between depression and orofacial diskynesia in mice
Autor Gomes, Patricia Helena Zanier Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Frussa-Filho, Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Evidências clínicas têm apontado a depressão como um importante fator de risco para o desenvolvimento de discinesia tardia. Por outro lado, pacientes que manifestam a discinesia tardia apresentam um episódio de depressão prévio, ou associado ao distúrbio. Contraditoriamente, a literatura tem relatado que o tratamento com antidepressivos parece ser capaz de promover o desenvolvimento de discinesia orofacial. Reforçando as intersecções entre depressão e discinesia tardia, o envelhecimento é um importante fator de risco para a discinesia tardia, e a depressão é uma das principais desordens psiquiátricas a ele associada. Ainda no que concerne a mecanismos fisiopatológicos comuns a essas duas patologias, destaca-se um aumento de estresse oxidativo. Assim, várias evidências sugerem que um aumento na produção de radicais livres ou uma diminuição de defesas antioxidantes (com conseqüente aumento de marcadores de estresse oxidativo como a peroxidação lipídica), estão relacionados com a fisiopatologia da depressãoe da discinesia tardia. Assim, o objetivo do presente projeto foi investigar em camundongos as correlações entre depressão e desenvolvimento de discinesia orofacial. Mais especificamente, procuramos verificar se o desenvolvimento de discinesia orofacial induzida por haloperidol (um modelo animal de discinesia tardia ) seria diferente conforme o nível basal de depresão dos camundongos. Assim, os animais foram classificados de acordo com três níveis de depressão (baixo, médio e alto) pelo teste da natação forçada, sendo posteriormante tratados repetidmente com haloperidol para a avaliação comparativa de discinesia orofacial resultante desse tratamento. Inicialmente camundongos fêmeas foram utilizadas (uma vez que a prevalência de depressão é maior para o sexo feminimo). Posteriormente, camundongos machos também foram testados. Além disso, dois protocolos diferentes de tratamento com haloperidol para a indução da discinesia orofacial foram utilizados. Por fim, procuramos verificar se a indução de estados depressivos por meio do modelo de isolamento social, modificaria o desenvolvimento e/ ou a expressão de discinesia orofacial induzida tanto pelo haloperidol quanto pela reserpina ( um outro modelo animal de discinesia tardia ) . Embora as extensas evidências de uma possível correlação entre depressão e discinesia tardia, os dados do presente trabalho evidenciam que diferentes níveis basais de depressão não modificam o desenvolvimento e a duração …(au).
Palavra-chave Discinesias
Depressão
Estresse fisiológico
Estresse oxidativo
Camundongos
Idioma Português
Data de publicação 2005
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2005. 61 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 61 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20731

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta