Estudo dos mecanismos envolvidos na ação estimulante central do Cunaniol, presente na espécie Clibadium surinamense L (Cunambi)

Estudo dos mecanismos envolvidos na ação estimulante central do Cunaniol, presente na espécie Clibadium surinamense L (Cunambi)

Título alternativo Study of the mechanisms involved on the central stimulant acion od Cunanil presented in the species Clibadium surinamense L (Cunambi)
Autor Costa, Elson Alves Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Lima-Landman, Maria Teresa Riggio de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Clibadium surinamense L é uma espécie pertencente à família Asterácea encontrada na região Norte do Brasil (Bacia do Baixo Amazonas). Conhecida popularmente como Cunambí, é usada pela população ribeirinha na pesca predatória. Após a ingesta das iscas preparadas com esta planta, os peixes apresentam um quadro de intoxicação que se caracteriza normalmente por uma grande movimentação na água seguida por um período quiescente no qual permanecem boiando. Este quadro pode evoluir para a morte ou retorno do animal à normalidade, na dependência da quantidade de iscas ingeridas (Cordeiro, 1978). Resultados anteriores mostraram que o tratamento oral com o extrato etanólico das folhas de Clibadium surinamense (EE), em doses superiores a 250 mg/kg, causa convulsões tônico-clônicas generalizadas e óbito, em camundongos (Vanderlinde e Costa 1995). O tratamento dos animais com doses menores, aumentou a movimentação espontânea e reduziu o tempo de sono induzido por uretana e por barbitúricos (Cruz e cols. 2000). Através de partição água/hexano do EE foi obtida uma fração hexânica (FH), na qual foram mantidos os efeitos convulsivante e letal do extrato original (Rocha e cols. 2001). Dando continuidade a esses estudos, o presente trabalho avaliou a atividade convulsivante do extrato hexânico (ExtHex) e de frações isoladas de Clibadium surinamense visando determinar os mecanismos envolvidos na atividade convulsivante desta espécie e identificar seu(s) constituintes) ativo(s). Folhas e caules de Clibadium surinamense foram coletados, entre os meses de fevereiro a maio de 2001, na região urbana de Gurupí (TO - Br). O extrato hexânico do pó das folhas e caules (ExtHex) foi concentrado, em rotaevaporador sob pressão reduzida, até 5 por cento do volume retirado do Soxhlet (t 20 mL). O rendimento do processo extrativo foi 2,4 ± 0,4 por cento em relação à quantidade do pó da planta utilizada. Os principais resultados obtidos mostraram que: 1. O ExtHex (250; 350; 450 e 550 mg/kg, v.o.) induziu o aparecimento de crises comporta mentais, em ratos, com intensidade proporcional às doses utilizadas. Os animais ficaram acinéticos, e exibiram tremores e abalos corporais que evoluíram para crises generalizadas¿(au)
Palavra-chave Plantas Tóxicas
Asteraceae
Convulsões/induzido quimicamente
Plantas Medicinais
Idioma Português
Data de publicação 2005
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2005. 105 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 105 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20722

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta