Efeito de fármacos ototóxicos na audição de recém-nascidos de alto risco

Efeito de fármacos ototóxicos na audição de recém-nascidos de alto risco

Título alternativo Ototoxic drugs effects in high risk newborn hearing
Autor Camara, Marilia Fontenele e Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Azevedo, Marisa Frasson de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Distúrbios da comunicação humana (fonoaudiologia) - São Paulo
Resumo Objetivos: Calcular a prevalência da perda auditiva sensorioneural em recém-nascidos de alto risco; verificar se existe associação causal entre o uso de fármacos ototóxicos em neonatos de alto risco e a perda auditiva sensorioneural; identificar demais fatores que se associam à perda auditiva sensorioneural em neonatos de alto risco; estabelecer a freqüência de mutações genéticas relacionadas à perda auditiva sensorioneural em recém-nascidos de alto risco. Métodos: A pesquisa realizada foi analítica etiológica retrospectiva, do tipo caso-controle, aninhado em estudo de coorte, realizada em 250 recém-nascidos de alto risco prematuros com permanência mínima de 48 horas em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, perfazendo um total de 29 casos e 221 controles. Na primeira etapa do estudo, após a alta hospitalar, foi realizada coleta de dados dos prontuários e, com os responsáveis, triagem auditiva por emissões otoacústicas-produto de distorção, timpanometria e pesquisa do reflexo cócleo-palpebral. Na segunda, três meses após a alta hospitalar, foi realizada nova coleta de dados, a respeito das intercorrências neste período, triagem auditiva por emissões otoacústicas-produto de distorção, timpanometria e pesquisa do reflexo cócleo-palpebral; e na terceira etapa, seis meses após a alta, foi realizada nova coleta de dados, quanto às intercorrências neste período, emissões otoacústicas-produto de distorção, timpanometria, pesquisa do reflexo cócleo-palpebral e audiometria com reforço visual. Nos casos com suspeita de perda auditiva, foi realizado também o potencial evocado auditivo de tronco encefálico e emissões otoacústicas transientes. Para a correta análise dos resultados da pesquisa e descartar a possibilidade de a perda auditiva ser de origem genética não sindrômica ou das crianças serem portadoras de suscetibilidade genética para aminoglicosídeos, foi realizado exame genético para as mutações 35delG e mitocondriais A1555G e A7445G em todas as crianças. Resultados: Foram analisadas as variáveis independentes relacionadas à perda auditiva sensorioneural; associação entre o uso de fármacos e a ocorrência desta perda; análise do uso de cada fármaco isolado e a ocorrência de perda auditiva sensorioneural; análise das combinações de dois fármacos; comparação da prevalência de perda auditiva sensorioneural entre recém-nascidos que fizeram uso de dois fármacos juntos e a prevalência entre aqueles que fizeram uso de um ou do outro ou de nenhum dos dois fármacos da combinação; e estimativa, por meio de regressão logística, da associação não ajustada e ajustada entre o uso de dois fármacos juntos e a ocorrência de perda auditiva sensorioneural; e freqüência das mutações genéticas 35 delG, e mutações mitocondriais A1555G e A7445G. Conclusões: A prevalência da perda auditiva sensorioneural nos neonatos de alto risco foi de 11,6%; houve associação causal entre a perda auditiva sensorioneural em neonatos de alto risco e os fármacos ototóxicos administrados em conjunto: amicacina e cefotaxima (OR 5,35), cefotaxima e furosemida (OR 7,02), ceftazidima e furosemida (OR 12,17), ceftazidima e vancomicina (OR 9,12); existem dois fatores fortemente associados à perda auditiva sensorioneural, o uso de assistência ventilatória por meio de máscara e septicemia; e a freqüência das alterações genéticas foi de 0,8% da mutação 35delG em heterozigoze e de 0% das mutações mitocondriais A1555G e A7445G.

Objectives: To calculate the prevalence of the sensorineural hearing loss in high-risk newborn babies; to verify the existence of causal association between ototoxic drugs and sensorineural hearing loss in high-risk newborns; to identify other factors associated with sensorineural hearing loss in high-risk neonates and also to establish the genetic mutations' frequency related to sensorineural hearing loss in high-risk newborns. Methods: The research carried out was of the analytical etiological retrospective kind and of the case-control type which was nestled in cohort study. It was carried out in 250 high-risk premature newborns with minimum permanence of 48 hours in Intensive Care Neonatal Unit. There were altogether 29 cases and 221 controls. In the first stage of the study, soon after the patients were discharged from hospital, the data were collected from hospitals and from the people responsible for the process, it was carried out an auditory selection for distortion product otoacoustic emissions and timpanometry. In the next, three months after the patients had been discharged from hospital, a new collection of data regarding health condition in the period was carried out. It was an auditory selection for distortion product otoacoustic emissions and timpanometry. In the third stage, six months later, a new collection of data about health conditions in the period was carried out. The same exams were done, as well as visual reinforcement audiometry. In cases with suspicion of hearing loss, it was also carried out an ABR and otoacoustics emissions through transient stimuli. For the correct analysis of research results and to discard the possibility of hearing loss related to non sindromic genetic origin or genetic susceptibility for aminoglycosides, a genetic test for the mutations: 35delG, A1555G and A7445G mitocondrial was carried out in all the children. Results: The independent variables related to the sensorineural hearing loss were analyzed. The association between medicine use and the occurrence of such loss; the use of each isolated drug and the occurrence of sensorineural hearing loss; the combinations of two medicines; comparison of the newborn prevalence of sensorineural hearing loss between those who had made use of two medicines together and the prevalence between those who had made use of just one or the other or even of none of the two medicines of the combination; estimative, through logistic regression, of the adjusted and non adjusted association between the use of the two medicines together and the occurrence of sensorineural hearing loss; and the genetic mutations’ frequency of 35delG and mitocondrials A1555G and A7445G. Conclusions: The prevalence of sensorineural hearing loss in high-risk newborns was 11,6%; the causal associations of hearing loss in high risk neonates and the managed ototoxic drugs were: amicacina and cefotaxima (OR 5,35), cefotaxima and furosemida (OR 7,02), ceftazidima, furosemida (OR 12,17), ceftazidima and vancomicina (OR 9,12); two factors are strongly associated to sensorineural hearing loss: the use of ventilatorie assistance by means of mask and sepsis. The frequency of the genetic mutations was 0,8% for the 35delG in heterozigoze and 0% for mitocondriais mutations A1555G and A7445G.
Palavra-chave Substâncias tóxicas
Audição
Recém-nascido
Idioma Português
Data de publicação 2005
Publicado em CÂMARA, Marilia Fontenele e Silva. Efeito de fármacos ototóxicos na audição de recém-nascidos de alto risco. 2005. 208 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2005.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 208 f.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20596

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-20596.pdf
Tamanho: 1.002MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta