Validade do composite international diagnostic interview (CIDI/OMS) versão 2.1 em serviços de Saúde mental no Brasil

Validade do composite international diagnostic interview (CIDI/OMS) versão 2.1 em serviços de Saúde mental no Brasil

Título alternativo Validity of the composite international diagnostic interview (CIDI/WHO) version 2.1 in mental health services in Brazil
Autor Quintana, Maria Inês Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Andreoli, Sergio Baxter Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: avaliar a validade concorrente do Compositive International Diagnostic Interview (CIDI 2.1), utilizando como padrão ouro o diagnóstico médico. Método: amostra composta por 185 indivíduos, procedentes de hospitais psiquiátricos, ambulatórios de especialidades psiquiátricas, serviços comunitários e de atenção primária à saúde, selecionados intencionalmente, segundo nove grupos diagnósticos formulados por psiquiatras utilizando o método LEAD (Longitudinal, Experts Clinicians, Ali Data). Instrumentos: CIDI 2.1 (lápis e papel), versão para diagnósticos ao longo da vida, aplicado por 16 entrevistadores leigos, treinados com o procedimento padrão da OMS. Análise: validade concorrente dos diagnósticos do CIDI no último ano. Resultados: Foram encontrados os seguintes valores, respectivamente, para a sensibilidade e a especificidade do CIDI 2.1: Transtornos Decorrentes do Uso de Álcool (79,5 por cento e 97,2 por cento); Transtornos Decorrentes do Uso de Outras Substâncias Psicoativas (77,3 por cento e 100 por cento); Esquizofrenia e Outros Transtornos Psicóticos (28,6 por cento e 93,9 por cento); Episódio Maníaco e Transtorno Afetivo Bipolar (38,9 por cento e 96,4 por cento); Transtorno Depressivo (82,5 por cento e 93,8 por cento); Transtorno Fóbico-Ansioso (80,6 por cento e 93,5 por cento); Transtorno Obsessivo Compulsivo (18,2 por cento e 98,9 por cento); Transtorno Somatoforme (41,7 por cento e 90,8 por cento); Transtorno Alimentar (45,5 por cento e 100,0 por cento). Conclusão: o CIDI mostrou-se válido na clínica para os diagnósticos de Transtornos Decorrentes do Uso de Álcool e Outras Substâncias Psicoativas, Transtorno Depressivo e Transtorno Fóbico-Ansioso. As prováveis explicações para o pior desempenho nos demais diagnósticos foram: necessidade de algum julgamento clínico do entrevistador leigo; dificuldade no manuseio do Diagrama de Especificação de Resposta; dificuldade de compreensão dos entrevistados; e falta de mecanismos para atestar a veracidade das informações. A condição de entrevistadores leigos causa limitações que podem ser minimizadas pelo treinamento com foco nos sintomas e questões que necessitam de raciocínio clínico e interpretações culturalmente determinadas.
Palavra-chave Transtornos mentais
Diagnóstico
Psiquiatria
Prazo de validade de produtos
Idioma Português
Data de publicação 2005
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2005. 173 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 173 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20516

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta