Aspectos morfológicos e imuno-histoquímicos de mamas de mulheres após a menopausa antes e depois de terapia estroprogestativa

Aspectos morfológicos e imuno-histoquímicos de mamas de mulheres após a menopausa antes e depois de terapia estroprogestativa

Título alternativo Morphologycal and immunohistochemical aspects of the breast tissue in postmenopausal women before and after estrogen-progestin replacement therapy
Autor Elias, Simone Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Kemp, Claudio Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A estrogenioterapia isolada ou combinada aos progestagênios continua tema controverso e a maioria dos trabalhos evidencia uma associação com o risco de câncer de mama após seu uso por períodos maiores que cinco anos. No entanto, apesar dessa importante constatação pouco se sabe sobre os mecanismos pelos quais os hormônios atuam no epitélio mamário normal. Objetivo: Analisar o tecido mamário de mulheres antes e depois de seis meses de terapia estroprogestativa combinada contínua (0,625 mg de estrogênios conjugados eqüinos associados a 2,5 mg de acetato de medroxiprogesterona). Métodos: Todas as pacientes foram avaliadas antes de instituir o tratamento, e foram consideradas aptas para tal. O material foi obtido por meio de biópsia percutânea com agulha grossa acoplada a um propulsor automático, realizada no quadrante súpero-lateral esquerdo. Para o estudo morfológico, avaliaram-se a densidade epitelial e o volume nuclear nos corte corados por hematoxilina-ensina. A morfometria foi analisada graficamente com auxílio do programa IMAGELAB 2000, após captura da imagem microscópica pelo sistema VIDCAP 32. Por meio de reações imuno-histoquímicas, avaliaram-se a atividade proliferativa do epitélio com o anticorpo monoclonal Ki-67, a expressão dos receptores de estrogênio e de progesterona e, ainda, o estroma utilizando o anticorpo CD34, um marcador de angiogênese. Resultados: Após o uso da terapia estroprogestativa por 6 meses, houve aumento significativo do volume nuclear nas mulheres em que o tratamento foi instituído em período mais tardio da pós-menopausa. Não houve diferença na densidade epitelial, nos marcadores Ki-67 e CD34, nem tampouco nos receptores de estrogênio e de progesterona. Conclusões: A terapia estroprogestativa combinada contínua empregada por 6 meses induziu a alteração no volume nuclear das células epiteliais das mamas, sugerindo haver aumento de sua atividade metabólica. Provavelmente, esse evento precede outros que confirmariam o estímulo da proliferação celular por esses hormônios. Certamente, fatores como o tempo de exposição, o tipo de hormônio empregado, o momento da introdução do tratamento, o esquema usado e as características individuais interferem diretamente na resposta do epitélio e do estroina mamário à terapia hormonal.
Assunto Mama/efeitos de drogas
Pós-menopausa
Terapia de reposição hormonal
Imuno-histoquímica
Idioma Português
Data 2004
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2004. 104 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 104 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20139

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)