Estudo da tonometria gastrica como fator prognostico da disfuncao de orgaos e mortalidade em pacientes com sepse severa ou choque septico

Estudo da tonometria gastrica como fator prognostico da disfuncao de orgaos e mortalidade em pacientes com sepse severa ou choque septico

Título alternativo Study of gastric tonometry as a prognostic marker of organ dysfunction and mortality in patients with severe sepsis or septic shock
Autor Kai, Marcio Hideki Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A sepse severa e o choque septico sao patologias complexas e que possuem elevada morbidade e mortalidade. O sucesso na terapeutica da sepse depende de uma melhor compreensao da sua flsiopatologia e do diagnostico precoce. A perfusao esplancnica esta alterada na sepse e a diminuicao do fluxo esplancnico esta relacionada com disfuncao de orgaos e mortalidade. A tonometria gastrica, atraves da medida da PC02 gap, e utilizada para mensurar indiretamente a perfusao da regiao esplancnica. Este estudo teve como objetivo fazer uma avaliacao seriada da relacao da PC02 gap com disfuncao de orgaos e a mortalidade em pacientes com sepse severa ou choque septico. Foram estudados 57 pacientes com diagnostico de sepse severa ou choque septico (04 pacientes com sepse severa e 53 pacientes com choque septico). A idade media da populacao foi de 51,4 (DP = 18,1) anos, havia 36 homens (63,2 por cento) e 21 mulheres (36,8 por cento), o APACHE II medio foi de 20,9 (DP = 6,4). Em 28 dias de observacao foram a obito 26 pacientes (45,6 por cento) de um total de 57 pacientes do estudo. Na admissao, a PC02 gap dos pacientes nao sobreviventes teve media de 19,9 mmHg (DP = 15,4) e os sobreviventes neste dia tiveram media de 12,1 mmHg (DP = 7,8), com p = 0,06. A media da PC02 gap dos pacientes nao sobreviventes no dia 1 foi de 18,4 mmHg (DP = 8,3), e a media da PC02 gap dos pacientes que sobreviveram neste dia foi de 13 mmHg (DP = 10,9) com p = 0,04. A media da PC02 gap no dia 2 entre os nao sobreviventes foi de 23,2 mmHg (DP = 13,3) e os pacientes sobreviventes neste dia tiveram media de 12,3 mmHg (DP = 7,2), com p = 0,0006. No dia 3 a media da PC02 gap entre os nao sobreviventes foi de 19,3 mmHg (DP = 9,2) e os sobreviventes tiveram media de 11,2 mmHg (DP = 5,4) neste dia, com p = 0,002. O melhor ponto de corte da PC02 gap no dia 0 foi de 14 mmHg, com area sob a curva de 0,64. No dia 1 o melhor ponto de corte da PC02 gap foi de 15 mmHg, com area sob a curva de 0,73. No dia 2, o melhor ponto de corte da PC02 gap foi de 14 mmHg, com area sob a curva de 0,78. No dia 3 o melhor ponto de corte da PC02 gap foi de 15 mmHg, com area sob a curva de 0,77a(au)
Palavra-chave Manometria
Sepse
Prognóstico
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 87 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 87 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20061

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta