Estresse oxidativo e capacidade funcional em idosos residentes na comunidade (Projeto Epidoso)

Estresse oxidativo e capacidade funcional em idosos residentes na comunidade (Projeto Epidoso)

Título alternativo Oxidative stress and functional capacity in elderly people living in the community (Epidoso Project)
Autor Lima, Alessandra Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Este trabalho enfatiza o estabelecimento de parametros do estado de estresse oxidativo sistemico no processo de envelhecimento, e a sua relacao com a capacidade funcional, em uma populacao de idosos com 75 anos ou mais, residentes na comunidade. Foram estudados 174 pacientes, parte da amostra de sobreviventes do projeto EPIDOSO sob acompanhamento regular no Centro de Estudos do Envelhecimento da Universidade Federal de São Paulo, entre outubro de 2001 e novembro de 2002. A populacao estudada foi avaliada em funcao do grau de independencia fisica para as atividades de vida diaria (AVD), e do grau de autonomia mental, medido pelas respostas ao Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), usadas como medidas de capacidade funcional do idoso. Esses pacientes foram classificados como: frageis, com deficit cognitivo, dependentes e saudaveis. Foram submetidos a analise laboratorial para mensuracao das concentracoes plasmaticas de vitamina C, -tocoferol (vitamina E), -caroteno, licopeno e coenzima Q10 e dosagem de produtos de oxidacao de lipidios (LPO), a fim de estabelecer diferencas entre seus perfis. De modo geral, trata-se de uma populacao com boa capacidade funcional e, relativamente, saudavel, sendo baixo o grau de dependencia fisica para atividades de vida diaria e estando a funcao cognitiva, de modo geral, melhor preservada. Entretanto, os niveis de concentracoes plasmaticas de antioxidantes encontram-se proximos dos valores minimos esperados para esta populacao, sugerindo possivel consumo das mesmas no processo de estresse oxidativo sistemico; excecao encontrada somente para o -caroteno, que se encontra pouco aumentado, possivelmente devido a sua maior disponibilidade. Estas baixas concentracoes plasmaticas de VTC, VTE, LIC e CoQ10, encontradas nos idosos, podem ser atribuidas a diferencas na absorcao, distribuicao e biodisponibilidade destes antioxidantes, proprias do envelhecimento. Alem disso, o produto de oxidacao de lipidios, parametro oxidativo, encontra-se aumentado nesta populacao, reforcando a ideia do estresse oxidativo presente no envelhecimento. Os resultados deste estudo, de desenho transversal, sugerem a necessidade da realizacao de outras pesquisas, de carater longitudinal, para melhor esclarecimento a respeito da importancia do estresse oxidativo sistemico no processo de envelhecimento e o possivel efeito protetor das vitaminas antioxidantes na capacidade funcional
Palavra-chave Estresse Oxidativo
EMVELHECIMENTO
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 107 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 107 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19984

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta