Prevalencia de deficit cognitivo em idosos residentes no domicilio em area urbana de Montes Claros - MG

Prevalencia de deficit cognitivo em idosos residentes no domicilio em area urbana de Montes Claros - MG

Título alternativo To estimate the cognitive deficit prevalence among the elderly residents at home in the urban area of Montes Claros - MG
Autor Durante, Ariane Maria Gonzaga Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: As diferencas individuais em condicoes fisicas e fisiologicas no envelhecimento, presenca das comorbidades e gravidades das doencas sao em parte responsaveis pela heterogeneidade da populacao idosa. A idade por si so nao e explicativa de todos os problemas, mas conforme varios estudos e fator de risco para comorbidades, desabilidades e mortalidade. Com o envelhecimento populacional ha aumento das doencas cronicas, limitacoes fisicas para realizacao das atividades diarias e declinio em alguma das funcoes cognitivas o que causa prejuizo na qualidade de vida dos idosos e risco de institucionalizacao. Objetivo: Estimar a prevalencia de deficit cognitivo em idosos residentes no domicilio em area urbana de Montes Claros-MG. Metodologia: Utilizou-se o Mini-Mental State Examination (MMSE) para rastreamento de deficit cognitivo entre os 327 idosos sorteados na area urbana de Montes Claros. Foram selecionados todos os idosos que obtiveram menos de 24 pontos (provaveis casos de deficit cognitivo) para avaliar a associacao entre escores do MMSE e variaveis socio-demograficas e outras variaveis. Resultados: A prevalencia total de deficit cognitivo foi de 63,91 por cento. Essa prevalencia aumentou significativamente com idade e foi mais alta nas mulheres, em individuos com baixo nivel educacional, nos idosos dependentes ou com prejuizo em atividades diarias, bem como naqueles que apresentaram quedas. Essas variaveis associaram-se todas de forma significativa a escores mais baixos no MMSE. Discussao: A prevalencia de deficit cognitivo, utilizando o MMSE, foi mais alta do que aquelas encontrados na literatura, o analfabetismo e baixo nivel educacional podem explicar este resultado. A correlacao do deficit cognitivo e baixos escores no MMSE com variaveis demograficas e oscreeningÆs geriatricoso foram semelhantes aos citados na literatura. Conclusao: Em comparacao com estudos previos, a prevalencia de deficit e alta entre a populacao estudada, isso pode refletir alem de outros fatores o que afirma a literatura o grande impacto da escolaridade e analfabetismo nos escores MMSE e no consequente deficit cognitivo mensurado
Assunto Cognição
Transtornos Cognitivos
Demência
Avaliação
Prevalência
Idoso
Idioma Português
Data 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 134 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 134 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19736

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)