Proteinuria nas síndromes hipertensivas da gestação

Proteinuria nas síndromes hipertensivas da gestação

Título alternativo Proteinuria and outcome of pregnancies complicated by hipertension
Autor Coelho, Tarcisio Mota Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Luiz Camano, Luiz Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Avaliar o valor prognostico da proteinuria nas gestantes com sindromes hipertensivas nos desfechos maternos e perinatais. Pacientes e Metodo: Estudo transversal com coleta de dados retrospectiva de 334 gestantes complicadas por sindromes hipertensivas, que deram a luz no Departamento de Obstetricia da Universidade Federal de São Paulo, Hospital São Paulo, no periodo de 1° de janeiro de 1999 a 31 de dezembro de 2002. Resultados: Apos a revisao dos prontuarios, as pacientes foram divididas em 4 grupos: I sem proteinuria (n-203), II com proteinuria de 0,3 a 1,Og (n-39), III com proteinuria de 1,0 a 2,Og (n-45) e grupo IV com 2,Og ou mais (n-47). Na ausencia da proteinuria houve 01 caso de descolamento prematuro da placenta. Com proteinuria observaram-se desfechos maternos adversos, com a elevacao das complicacoes, proporcional a elevacao da proteinuria, sendo a Sindrome Hellp a mais frequente com 30,5 por cento (40/131) seguida da eclampsia com 3,8 por cento (5/131), DPP 3,01 por cento (4/131) e insufiCiência renal 0,7 por cento (1/131). Foi constatado 01 obito materno nesse grupo, perfazendo-se o CMM de 763/100.OOOnv. Em relacao aos efeitos perinatais, no grupo sem proteinuria nao houve elevacao dos efeitos adversos. Na presenca da proteinuria e com a elevacao dos seus niveis observou-se pior prognostico perinatal com a elevacao dos seguintes indicadores: aumento de 5,5 vezes da prematuridade (62,2 por cento vs 11,5 por cento), 4,2 vezes de recem-nascidos com peso < 2500g (6,5 por cento vs 1,5 por cento), 8,6 vezes de recem-nascidos com Apgar < 7 no 5° minuto (30,4 por cento vs 3,5 por cento), 6,4 vezes de conceptos com restricao de crescimento intra-utero (41,9 por cento vs 6,5 por cento), 3,8 vezes de recem-nascidos internados na unidade neonatal, (59,8 por cento vs 15,5 por cento), 9,8 vezes de natimortos (14,4 por cento vs 1,4 por cento), 6,8 de obitos neonatais (6,1 por cento vs 0,98 por cento). O coeficiente de mortalidade perinatal foi maior com proteinuria ( 175 vs 19,7) e, quando >_ 2,0 g (297,8 vs 19,7). Conclusoes: A presenca da proteinuria, nas sindromes hipertensivas durante a gestacao, e a elevacao dos seus niveis, aumenta o risco de complicacoes maternas, principalmente a sindrome Hellp e a eclampsia. Alem disso, observou-se incidencia significativamente maior da prematuridade, de recem-nascidos com Apgar < 7, peso < 2500g, com CIUR, de natimortos e obitos neonatais
Palavra-chave Proteinúria
Hipertensão
Mortalidade Infantil
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 101 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 101 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19732

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta