Avaliação hepática e esplênica por ressonância magnética em pacientes portadores crônicos de Esquistossomose mansônica

Avaliação hepática e esplênica por ressonância magnética em pacientes portadores crônicos de Esquistossomose mansônica

Título alternativo Magnetic resonance imaging of the liver and spleen in chronic schistosomiasis mansoni
Autor Bezerra, Alexandre Sergio de Araujo Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador D'Ippolito, Giuseppe Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivos: avaliar qualitativamente e quantitativamente as alteracoes morfologicas hepaticas e esplenicas por ressonancia magnetica (RM) em pacientes portadores cronicos de esquistossomose mansoni e avaliar a reprodutibilidade do metodo na avaliacao hepatoesplenica destes pacientes. Metodos: realizou-se estudo prospectivo em 28 pacientes esquistossomoticos (idade entre 29 e 61 anos, com media de 42), submetidos a RM de abdome superior no periodo de janeiro de 2001 a julho de 2002. Os exames foram realizados em equipamento com alto campo (1,5T), utilizando-se bobina de corpo e bomba injetora para a administracao do contraste endovenoso. Os exames foram interpretados por dois examinadores independentes que avaliaram a presenca de alteracoes morfologicas hepaticas e esplenicas pelas variaveis qualitativas (alargamento de fissuras, fibrose periportal, heterogenidade do parenquima hepatico, irregularidade de contornos hepaticos, presenca de vasos perifericos hepaticos, nodulos sideroticos esplenicos) e quantitativas (diametros transverso do lobo caudado, transverso do lobo hepatico direito, anteroposterior do lobo esquerdo, longitudinal do baco, transversal do baco, anteroposterior do baco e o index esplenico). A concordancia interobservador e intra-observador foram medidas pelo teste de Kappa e pelo teste do coeficiente de correlacao intraclasses. Resultados: as variaveis qualitativas apresentaram boa concordancia interobservador e intra-observador (k >_ 0,65). As variaveis quantitativas apresentaram a mesma concordancia (k >_ 0,66). A maior concordancia interobservador foi obtida para o diametro anteroposterior do baco (k = 0,98) e a pior foi para o diametro transversal do lobo caudado (k = 0,66). Os observadores identificaram reducao do lobo hepatico direito, aumento do lobo hepatico esquerdo e caudado associado a esplenomegalia em quase todos os pacientes. Identificou-se tambem a presenca de alargamento de fissuras, heterogenidade do paranquima hepatico, irregularidade de contornos, vasos perifericos hepaticos e fibrose periportal em mais de 82 por cento dos pacientes. Conclusao: as alteracoes morfologicas hepaticas caracterizam-se pela presenca de reducao do lobo direito e aumento dos lobos caudado e esquerdo e as esplenicas, pela presenca de esplenomegalia e nodulos sideroticos. A RM e metodo que apresenta elevada reprodutibilidade na avaliacao das alteracoes morfologicas hepaticas e esplenicas em pacientes portadores cronicos de esquistossomose mansonica
Assunto Hepatopatias parasitárias
Esplenopatias
Esquistossomose mansoni
Imagem por ressonância magnética
Idioma Português
Data 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 80 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 80 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19722

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)