Aids no Brasil rural: um estudo etno-antropológico da contaminação

Aids no Brasil rural: um estudo etno-antropológico da contaminação

Título alternativo Aids in the rural Brazil: an etno-anthropologic study of contamination
Autor Guimarães, Patricia Neves Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Santos, José Francisco Fernandes Quirino dos Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O objetivo desse estudo e compreender os aspectos socio-culturais relevantes a) das experiencias de vida, crencas e comportamentos dos individuos portadores do HIV que residem na regiao do norte de Minas Gerais, em areas rurais e cidades de pequeno porte; b) da auto-imagem que esses individuos construiram tanto sua propria situacao, de portadores do HIV, como das praticas desenvolvidas por eles proprios para lidar com a doenca. A pesquisa foi desenvolvida atraves de uma abordagem de tipo qualitativo, que demandou uma pesquisa de campo dentro dos padroes da pesquisa antropologica, incluindo entrevistas semi-estruturadas, em profundidade, no ambulatorio de referencia para DST/AIDS da Universidade Estadual de Montes Claros e nos diversos locais de residencias destes pacientes, paralelamente a observacao etnografica. Foram entrevistados 52 pacientes, dos quais 30 homens e 22 mulheres; e visitadas 14 localidades da regiao homogenea definida como area do estudo. A migracao para outras regioes do pais, principalmente o Estado de São Paulo, apareceu como fator relevante para se pensar a contaminacao do virus HIV no norte de Minas Gerais. As principais representacoes foram a nocao de que o virus nao existia em regioes rurais do pais, a Aids aparece envolta eml explicacoes magico-religiosas e entendida como sendo enviada por forcas espirituais malignas, ou por Deus, como forma de castigo. Todos os pacientes estavam vinculados a uma religiao, catolica ou evangelica, sendo notoria a mudanca de religiao, da catolica para) a evangelica, apos o conhecimento da soropositividade para o HIV. Na concepcao dal populacao estudada, nao havia a ideia de associacao entre Aids e homossexualismo. Ficou) evidente tambem que nenhum dos entrevistados tinha o habito de usar preservativo. Eles) percebiam a si mesmos como pessoas que haviam quebrado regras morais e sociais locais) de comportamento. As nocoes mais frequentes sobre as forma de transmissao do virus foram o contato com pessoas e com objetos contaminados. Atraves do estudo, pode-se concluir que e crucial considerar certas questoes culturais, ao se planejar estrategias informativas e preventivas contra a Aids. Nessas estrategias, a inclusao de maneiras locais de pensar as logicas comportamentais, implicitas no ideario dessa dada populacao, podera gerar medidas de intervencao mais eficazes. Assim, as informacoes fornecidas pelos meios de comunicacao poderiam se tornar mais significativas e permeaveis as nocoes de cunho cultural local que os individuos tenham da doenca
Palavra-chave Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
População rural
Antropologia
Epidemiologia
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 284 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 284 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19659

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta