Memória emocional, volume do corpo amigdalóide e doença de Alzheimer

Memória emocional, volume do corpo amigdalóide e doença de Alzheimer

Título alternativo Emotional memory, amygdala volume and Alzheimer's disease
Autor Schultz, Rodrigo Rizek Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Bertolucci, Paulo Henrique Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivos: Avaliar o desempenho de pacientes com doenca de Alzheimer e controles em uma bateria de memoria emocional, analisando o efeito da escolaridade. Correlacionar esses resultados com a volumetria dos corpos amigdaloides e hipocampos. Verificar a implicacao das variaveis sexo e escolaridade com essas estruturas. Identificar qual estrutura encontra-se mais comprometida no inicio da doenca, alem de determinar diferencas inter-hemisfericas. Metodos: Foram examinados pacientes com provavel doenca de Alzheimer em fase inicial e controles atraves de uma bateria de memoria emocional, o International Affective Picture System (IAPS), alem de parte da Bateria Neuropsicologica Breve (NEUROPSI), um teste de memoria logica e o Mini-Exame do Estado Mental (MEEM). Realizou-se a volumetria das estruturas temporais mesiais atraves da ressonancia magnetica. Resultados: Foram avaliados 20 pacientes com doenca de Alzheimer e 20 controles. Nao observamos diferenca significante entre os grupos em relacao ao sexo ou as medias de idade e escolaridade. No grupo de pacientes com doenca de Alzheimer houve comprometimento significante em tarefas de memoria e no MEEM, assim como para grande parte da bateria de memoria emocional. Conclusoes: Os resultados alcancados indicam que os dois grupos beneficiaram-se de figuras agradaveis e desagradaveis quanto a evocacao imediata de figuras. No entanto, para a evocacao tardia, somente os controles beneficiaram-se. Nao houve influencia da escolaridade para evocacao imediata e tardia de figuras com valencias afetivas. Os corpos amigdaloides e os hipocampos estao igualmente comprometidos, do ponto de vista quantitativo, na fase inicial da doenca de Alzheimer. Nao foram observadas diferencas inter-hemisfericas ou nos volumes das estruturas estudadas em relacao ao sexo e a escolaridade nos dois grupos. Alem disso, observamos nesses pacientes que, quanto maior a volumetria do corpo amigdaloide e hipocampo, maior o escore nos testes de evocacao imediata e tardia de figuras, porem, nao constatamos correlacao do conteudo afetivo com a volumetria dos corpos amigdaloides
Palavra-chave Doença de Alzheimer
Tonsila do cerebelo
Memória
Imagem por ressonância magnética
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 111 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 111 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/19570

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta