Incidência da neurossifilis e frequência de suas formas clínicas no período 1962-1981

Incidência da neurossifilis e frequência de suas formas clínicas no período 1962-1981

Título alternativo Incidence of neurosyphilis and frequency of their clinical forms in patients observed in the 1962-1981 period
Autor Zukerman, Eliova Autor UNIFESP Google Scholar
Reis-filho, João Baptista Dos Autor UNIFESP Google Scholar
Novo, Neil Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Barberini, Carlos Humberto Autor UNIFESP Google Scholar
Morgulis, Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Bertolucci, Paulo Henrique Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo After 1950 it was observed an increase in the incidence of syphilis in the general population and this fact determined an investigation in order to evaluate the possible repercussion of this occurrence on the central nervous system, as an after effect of the elevated incidence. However, in this first study it was verified that there was a progressive and marked decrease of the neurosyphilis incidence in the 1936-1964 period, and that the frequency of meningovascular forms of the disease had increased lately in regard to the parenchymatous forms. The aim of the present work has been the continuation of this study after so many years. The material for this survey consisted of the clinical records of 148 patients picked out from 34.430 cases seen at the Neurological Department of Escola Paulista de Medicina (São Paulo, Brasil), during the 1962-1981 period, i. e., on twenty consecutive years. The results of this complementary investigation have shown instead that the incidence of neurosyphilis remained steady, changing very little every year, with an incidence at the rate of about 1:200. On the other hand, the frequency of the clinical forms of neurosyphilis changed very much. The usual forms such as general paresis and tabes are now scant and the observation of the uncommon forms, seldom seen in the past, is now progressively increasing through the years, so that they are the preponderant clinical forms today.

Em face do aumento da incidência da sífilis na população em geral observada depois da década de 50, foi feita uma primeira investigação procurando apreciar a possível repercussão deste fenômeno entre os pacientes de serviços neurológicos e psiquiátricos de São Paulo. Este estudo revelou que, ao contrário do esperado, houve uma acentuada diminuição da incidência da neurossífilis no período 1936-1964 e, ao mesmo tempo, foi verificado um decréscimo das formas clínicas parenquimatosas da neurossífilis e um predomínio das meningo-vasculares. O presente trabalho é uma continuação desta pesquisa. O material utilizado nesta investigação é representado exclusivamente pelas observações clínicas de 148 pacientes selecionados dentre 34.430 indivíduos examinados por motivos diversos no período 1962-1981 no Serviço de Neurologia da Escola Paulista de Medicina. Este estudo complementar, que abrange um período de 20 anos consecutivos, revelou que o número de casos de neurossífilis foi relativamente estável, com uma incidência anual de aproximadamente 1:200 e que a proporção de formas clínicas clássicas de neurossífilis vem diminuindo progressivamente, através dos anos, de sorte que atualmente predominam de modo absoluto formas clínicas de observação rara em tempos passados.
Idioma Português
Data de publicação 1983-12-01
Publicado em Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 41, n. 4, p. 337-342, 1983.
ISSN 0004-282X (Sherpa/Romeo)
Publicador Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Extensão 337-342
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1983000400003
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-282X1983000400003 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/191

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-282X1983000400003.pdf
Tamanho: 532.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta