Colesteatoma causando paralisia facial

Colesteatoma causando paralisia facial

Título alternativo Cholesteatoma causing facial paralysis
Autor Testa, Jose Ricardo Gurgel Autor UNIFESP Google Scholar
Vicente, Andy De Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Abreu, Carlos E.c. Autor UNIFESP Google Scholar
Benbassat, Simone F. Autor UNIFESP Google Scholar
Antunes, Marcos L. Autor UNIFESP Google Scholar
Barros, Flávia A. Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Facial paralysis caused by cholesteatoma is uncommon. The portions most frequently involved are horizontal (tympanic) and second genu segments. When cholesteatomas extend over the anterior epitympanic space, the facial nerve is placed in jeopardy in the region of the geniculate ganglion. The aetiology can be related to compression of the nerve followed by impairment of its blood supply or production of neurotoxic substances secreted from either the cholesteatoma matrix or bacteria enclosed in the tumor. AIM: To evaluate the incidence, clinical features and treatment of the facial palsy due cholesteatoma. STUDY DESIGN: Clinical retrospective. MATERIAL AND METHOD: Retrospective study of 10 cases of facial paralysis due cholesteatoma selected through a survey of 206 decompressions of the facial nerve due various aetiologies realized in the last 10 years in UNIFESP-EPM. RESULTS: The incidence of facial paralysis due cholesteatoma in this study was 4,85%, with female predominance (60%). The average age of the patients was 39 years. The duration and severity of the facial palsy associated with the extension of lesion were important for the functional recovery of the facial nerve. CONCLUSION: Early surgical approach is necessary in these cases to improve the nerve function more adequately. When disruption or intense fibrous replacement occurs in the facial nerve, nerve grafting (greater auricular/sural nerves) and/or hypoglossal facial anastomosis may be suggested.

A paralisia facial causada pelo colesteatoma é pouco freqüente. As porções do nervo mais acometidas são a timpânica e a região do 2º joelho. Nos casos de disseminação da lesão colesteatomatosa para o epitímpano anterior, o gânglio geniculado é o segmento do nervo facial mais sujeito à injúria. A etiopatogenia pode estar ligada à compressão do nervo pelo colesteatoma seguida de diminuição do seu suprimento vascular como também pela possível ação de substâncias neurotóxicas produzidas pela matriz do tumor ou pelas bactérias nele contidas. OBJETIVO: Avaliar a incidência, as características clínicas e o tratamento da paralisia facial decorrente da lesão colesteatomatosa. FORMA DE ESTUDO: Clínico retrospectivo. MATERIAL E MÉTODO: Estudo retrospectivo envolvendo dez casos de paralisia facial por colesteatoma selecionados através de levantamento de 206 descompressões do nervo facial com diferentes etiologias, realizadas na UNIFESP-EPM nos últimos dez anos. RESULTADOS: A incidência de paralisia facial por colesteatoma neste estudo foi de 4,85%,com predominância do sexo feminino (60%). A idade média dos pacientes foi de 39 anos. A duração e o grau da paralisia (inicial) juntamente com a extensão da lesão foram importantes em relação à recuperação funcional do nervo facial. CONCLUSÃO: O tratamento cirúrgico precoce é fundamental para que ocorra um resultado funcional mais adequado. Nos casos de ruptura ou intensa fibrose do tecido nervoso, o enxerto de nervo (auricular magno/sural) e/ou a anastomose hipoglosso-facial podem ser sugeridas.
Palavra-chave cholesteatoma
facial nerve
facial palsy
colesteatoma
nervo facial
paralisia facial
Idioma Português
Data de publicação 2003-10-01
Publicado em Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. ABORL-CCF Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, v. 69, n. 5, p. 657-662, 2003.
ISSN 0034-7299 (Sherpa/Romeo)
Publicador ABORL-CCF Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Extensão 657-662
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992003000500011
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0034-72992003000500011 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1889

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0034-72992003000500011.pdf
Tamanho: 109.9KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta