Aplicacao de tecnicas moleculares para deteccao de resistencia a rifampicina em cepas de Mycobacterium tuberculosis

Aplicacao de tecnicas moleculares para deteccao de resistencia a rifampicina em cepas de Mycobacterium tuberculosis

Título alternativo Molecular techniques for rifampin resistance detection in Mycobacterium tuberculosis isolates
Autor Sakabe, Sumire Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: A tuberculose e doenca infecciosa responsavel por 1,6 milhoes de obitos por ano no mundo. O surgimento de formas multi-resistentes a antimicrobianos tem sido um dos diversos fatores que dificultam o controle da doenca. Objetivo: Conhecer a prevalencia de resistencia a rifampicina (RMP) em pacientes com tuberculose e internados no complexo do Hospital São Paulo no periodo de janeiro/2001 a dezembro/2002; comparar metodos fenotipicos (Mycobacteria Growth Indicator TubeMGIT e razao de resistencia-RR) e genotipicos (rifoligotyping e sequenciamento do gene rpo8) para deteccao de resistencia a rifampicina em Mycobacterium tuberculosas e descrever as mutacoes no gene rpo8 relacionadas a resistencia. Metodos: foram analisados prontuarios de 107 pacientes, cujas 116 amostras de M tuberculosas foram testadas quanto a susceptibilidade a rifampicina pelo MGIT. Trinta e quatro amostras resistentes a RMP por RR (31 cedidas pelo Instituto Adolfo Lutz-SP e 3 provenientes do HSP), foram submetidas a teste de sensibilidade em MGIT e sequenciamento de fragmento de 261 pares de bases do gene rpoB. Trinta e duas destas amostras foram testadas em rifoligotyping, metodo baseado em hibridizacao. Resultados: 107 pacientes do HSP foram analisados, com prevalencia de resistencia a rifampicina de 1,8 por cento. Das 34 amostras resistentes a RMP de acordo com resultado de RR, 28 mostraram-se resistentes pelo MGIT. Todas as 28 amostras resistentes pelo MGIT apresentavam mutacao no fragmento sequenciado do gene rpo8, sendo as mutacoes na Ser531 e His526 responsaveis por 85,7 por cento das mutacoes encontradas. Nas amostras discordantes (RR resistentes e MGIT sensiveis) nao foram encontradas mutacoes no fragmento sequenciado. Avaliacao de 28 amostras resistentes e 4 sensiveis testadas em 2 membranas de rifoligotyping de diferentes origens, mostraram especificidade e sensibilidade deste metodo de 100 por cento e 82,1 por cento. Conclusoes: a taxa de resistencia a RMP nos pacientes do HSP foi semelhante as taxas globais descritas no pais. As, mutacoes detectadas foram ja descritas como mais prevalentes no Brasil e em paises da America Latina, Europa e Asia. O estudo sugere que o MGIT seja um teste acurado e embora o rifoligotyping tenha mostrado sensibilidade de 82,1 por cento, apresenta como vantagens a rapidez para execucao e possibilitar a deteccao da mutacao responsavel pela resistencia. Ja a RR e um teste trabalhoso e demorado. Alem disso, a obtencao de resultados falsos resistentes sugere a necessidade de utilizacao de outros metodos complementares
Palavra-chave Tuberculose
Resistência Microbiana a Medicamentos
Rifampina
Biologia Molecular/métodos
Idioma Português
Data de publicação 2004
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2004. 88 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 88 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18829

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta