Mecanismos neurais envolvidos nos ajustes hemodinâmicos promovidos pela pilocarpina em ratos tratados com agonistas e antagonistas adrenérgicos

Mecanismos neurais envolvidos nos ajustes hemodinâmicos promovidos pela pilocarpina em ratos tratados com agonistas e antagonistas adrenérgicos

Título alternativo Neural mechanisms in the hemodynamic adjustment produced by pilocarpine in rats treated with adrenergic agonist and antagonist
Autor Moreira, Thiago dos Santos Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Colombari, Eduardo Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A pilocarpina, uma droga classificada como um agonista colinergico muscarinico, age nas glandulas salivares, produzindo vasodilatacao e salivacao. Estudos recentes tem mostrado que grande parte da salivacao induzida pela pilocarpina depende de mecanismos cerebrais. A salivacao induzida pela pilocarpina pode ser inibida pela lesao de estruturas cerebrais anteriores, como a regiao anteroventral do terceiro ventriculo (AM), area septal (AS) ou hipotalamo lateral (HL). Um mecanismo inibitorio da salivacao induzida pela pilocarpina tambem muito estudado esta relacionado com receptores adrenergicos 2 e imidazolicos. A moxonidina, assim com a clonidina (agonistas adrenergicos 2 e imidazolicos), sao drogas anti-hipertensivas que quando administradas centralmente reduzem a salivacao induzida por pilocarpina. Alem de participarem do controle de mecanismos salivatorios, essas drogas tambem estao envolvidas na regulacao cardiovascular. Assim, foram objetivos deste trabalho: a) estudar as alteracoes hemodinamicas produzidas pela associacao de moxonidina (agonista de receptores adrenergicos 2 e imidazolicos) e -metil noradrenalina (agonista de receptores adrenergicos 2) injetada nos ventriculos cerebrais (ventriculo lateral - VL e quarto ventriculo - 4°V) sobre as respostas hemodinamicas produzidas pela pilocarpina (agonista colinergico) injetada no VL. b) investigar o papel dos receptores adrenergicos 2 nos efeitos hemodinamicos da associacao de moxonidina ou -metil noradrenalina injetada no VL ou 4° V seguido de pilocarpina no VL. Para tanto, foram utilizados ratos Wistar com canulas de aco inoxidavel implantadas nos ventriculos cerebrais: VL (volume de injecao 1 a 2 L) e/ou 4°V (volume de injecao 1 L). Os ratos foram anestesiados com uretana (1,2 g/kg, i.v.) e um cateter foi inserido na arteria femoral para registro de pressao arterial media (PAM) e frequencia cardiaca (FC). Sondas miniaturizadas foram posicionadas ao redor da arteria que irriga o complexo submandibular/sublingual, da arteria mesenterica superior, da arteria renal esquerda e da extremidade da aorta abdominal para registro de fluxo sanguineo pelo metodo da fluxometria Dopplera(au)
Palavra-chave Fluxo sanguíneo regional
Pressão arterial
Sistema nervoso parassimpático
Sistema nervoso simpático
Sistema nervoso central
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 115 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 115 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18690

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta