Avaliacao endoscopica e histologica da mucosa do megaesofago avancado operado segundo tecnica de Serra Doria

Avaliacao endoscopica e histologica da mucosa do megaesofago avancado operado segundo tecnica de Serra Doria

Título alternativo Endoscopic and histological evaluation on advanced megaesophagus after Serra Doria surgical procedure
Autor Morita, Shinhiti Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O megaesofago chagasico e uma afeccao endemica em algumas regioes do Brasil e o seu tratamento ainda e paliativo. O tratamento cirurgico e relativamente homogeneo para os casos de megaesofago nao avancado, todavia ha controversias quanto aos procedimentos empregados na forma avancada da doenca. A esofagectomia apresenta maior morbidade e mortalidade, enquanto que os procedimentos no segmento distal do esofago e na cardia podem ser acompanhados de recidiva e, tambem o aparecimento de cancer em funcao da preservacao do orgao. A operacao de Serra Doria indicada para o megaesofago avancado, evolui com bons resultados clinicos, mas os efeitos sobre a mucosa esofagica sao poucos conhecidos. O objetivo do presente trabalho foi verificar o efeito da operacao de Serra Doria sobre os aspectos endoscopicos e histologicos da mucosa esofagiana de pacientes com megaesofago avancado. Foram estudados 45 pacientes com megaesofago avancado de acordo com a classificacao de Resende. Destes, 30 pacientes haviam sido submetidos a operacao de Serra Doria (grupo operado) e 15 pacientes nao operados (grupo controle). Foi analisado o aspecto macroscopico da mucosa esofagica por meio do exame endoscopico, associado ao uso do Lugol. Para o estudo histologico H&E utilizaram-se os fragmentos de biopsias da mucosa esofagica de area corada e nao corada pelo Lugol. No grupo operado, ao exame endoscopico observou-se esofagite leve em 21 pacientes (70,0 por cento), moderada em cinco (16,6 por cento) e grave em quatro (13,3 por cento); enquanto que no grupo controle quatro (26,6 por cento) apresentaram esofagite moderada e 11 (73,3 por cento) grave. Em relacao a analise histologica, no grupo operado 19 (63,3 por cento) apresentaram esofagite leve, seis (20 por cento) moderada e cinco (16,6 por cento) grave; enquanto que no grupo controle, um apresentava esofagite leve (6,6 por cento), tres (20 por cento) moderada e 11(73,3 por cento) grave. Mediante comparacao entre ambos os grupos, foi demonstrado que os aspectos endoscopico e histologico da esofagite foram mais graves no grupo controle p< 0,001 e p< 0,001, respectivamente (teste de Fischer). Concluiu-se que no megaesofago avancado a prevalencia de esofagite endoscopica e histologica na forma grave e elevada e, enquanto que, a operacao de Serra Doria mostrou predominancia da forma leve
Palavra-chave Acalasia Esofágica
Endoscopia
Histologia
Esofagite
Período Pós-Operatório
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 109 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 109 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18593

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta