Estudos da infeccao pelo Trypanosoma cruzi em celulas colonizadas por Coxiella burnetii

Estudos da infeccao pelo Trypanosoma cruzi em celulas colonizadas por Coxiella burnetii

Título alternativo Studies on Trypanosoma cruzi infection of cells colonized by Coxiella burnetii
Autor Andreoli, Walter Kindro Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Os nossos estudos iniciais concentraram-se no destino das formas infecciosas de T cruzi (cepa CL), depois da invasao de celulas Vero colonizadas persistentemente com Coxiella bumetii. A C. burnetii e o agente etiologico da Febre Q e uma bacteria de vida estritamente intracelular, localizando-se nas celulas eucarioticas em grandes vacuolos com caracteristicas de lisossomas secundarios. Na etapa da invasao das celulas persistentemente colonizadas com C. bumetii foi observado um menor indice de invasao para as formas tripomastigotas derivadas de cultura de tecidos (TCT) em comparacao com celulas Vero livres de infeccao. Quando as celulas persistentemente colonizadas com C. bumetii foram tratadas com bafilomicina A1, concanamicina A ou cloroquina, o indice de invasao aumentou para as formas TCT e tripomastigotas metaciclicas. Os estudos de cinetica de transferencia dos vacuolos parasitoforos de T. cruzi indicaram que as formas tripomastigotas metaciclicas foram transferidas com maior efiCiência para os vacuolos de C. bumetu. O processo de maturacao dos vacuolos parasitoforos das formas infectivas de T. cruzi parece ser diferente pela marcacao diferencial de EEA1, LAMP-1 e Rab-7. Tambem foi observado que ocorre uma dependencia do pH intravacuolar no trafego intracelular: onde quanto mais acido o pH do vacuolo de C. bumetii, mais facilmente as formas tripomastigotas sao transferidas. Posteriormente foi investigado o comportamento de formas tripomastigotas metaciclicas no interior de vacuolos de C. bumetii alem de 12 horas de co-infeccao. As formas tripomastigotas metaciclicas comecaram a transformar-se em formas amastigotas apos 12 horas. Foi observado que as formas amastigotas multiplicaram-se com o pH intravacuolar de 5.5. Depois de 72 horas de infeccao, as formas amastigotas predominaram nc citoplasma das celulas com vacuolos de C. burnetii. E possivel que as formas amastigotas escapem dos vacuolos de C. bumetii apos 72 horas de infeccao
Palavra-chave Trypanosoma cruzi
Coxiella burnetii
Idioma Português
Data de publicação 2003
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2003. 169 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 169 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18436

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta