Cirurgia endoscópica transnasal da região selar: estudo dos primeiros 100 casos

Cirurgia endoscópica transnasal da região selar: estudo dos primeiros 100 casos

Título alternativo Transnasal endoscopic surgery of the sellar region: study of the first 100 cases
Autor Gondim, Jackson Autor UNIFESP Google Scholar
Schops, Michele Autor UNIFESP Google Scholar
Tella Jr, Oswaldo I. Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Hospital Geral de Fortaleza
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo An endoscopic endonasal transsphenoidal approach to the sella was performed in 100 consecutive patients, with a follow up from 3 to 55 months: 57 females and 43 males, age ranging from 14 and 70 years. 76 cases pituitary adenomas: 22 were acromegaly (7 microadenomas and 15 macroadenomas); 21 null cell adenomas (3 microadenomas and 18 macroadenomas); 19 Cushing disease (11 microadenomas and 8 macroadenomas), 10 prolactinomas (6 microadenomas and 4 macroadenomas), and 4 LH adenomas (4 macroadenomas). In this serie, remission was achieved in 44.8% for macroadenomas, 60% for acromegaly, 27.7% for null cell adenoma, 50% for Cushing disease, 50% for prolactinomas and 50% for LH adenomas, and 81.4% for microadenomas 85% for acromegaly, 100% for null cell adenoma, 81.8% for Cushing disease, 66% for prolactinoma. We had also four craniopharyngiomas, four sphenoidal mucocele, three sphenoidal aspergillus, one Rathke cyst, one hypophysitis, one cavernous aneurysm, one encefalocele, one intrasellar meningioma, one intrasellar tuberculoma and a sphenoid fibrous dysplasia. In this series we also had six fistulas of the anterior base that were completely cured. We had a mortality of 2, one null cell giant adenoma in a 57 years old man and another patient, 38 years old, with a giant craniopharyngioma. The morbidity was: two cured meningitis, three cured fistulas, and two permanent diabetes insipidus. Endoscopic endonasal transsphenoidal surgery in this series resulted with comparable surgical outcomes to conventional microscopic transsphenoidal surgery. The advantages of this technique have been represented by an easier access to the lesion, better visualisation and increased illumination of the surgical sites, microdissection of the tumor with maximum preservation of the pituitary function, and reduction of hospitalization times and coasts. The main limits have been the reduction of field depth, constant need of manual control of the endoscope, and required experience of the endoscope technique.

A abordagem neuroendoscópica transnasal para a sela túrcica foi realizada em 100 pacientes consecutivos com um seguimento variando entre 3 e 55 meses: 57 mulheres e 43 homens, com idade compreendida entre 14 e 70 anos; 76 eram adenomas hipofisários: 22 acromegálicos (7 microadenomas e 15 macroadenomas), 21 adenomas não secretores (3 microadenomas e 18 macroadenomas), 19 doença de Cushing (11 microadenomas e 8 macroadenomas), 10 prolactinomas (6 microadenomas e 4 macroadenomas), 4 adenomas secretor de LH (4 macroadenomas). A remissão da sintomatologia foi conseguida em 44,8% para os macroadenomas (60% para acromegalia, 27,7% para os adenomas não secretores, 50% para os pacientes com doença de Cushing, 50% para os prolactinomas, e 50% para os adenomas secretantes de LH), e 81,4% para os microadenomas (85% para acromegalia, 100% para os adenomas não secretores, 81,8% para os pacientes com doença de Cushing, e 66% para os prolactinomas). Na série tivemos ainda quatro craniofaringeomas, quatro mucoceles esfenoidal, três aspergilose esfenoidal, e um caso de cada uma das patologias seguintes: cisto de Rathke, hipofisíte, aneurisma da carótida cavernosa, encefalocele, meningeoma intraselar, tuberculoma intra-selar e displasia fibrosa esfenoidal. Na série encontramos ainda seis fístulas liquóricas que foram todas fechadas através dessa via. A mortalidade foi de 2%, um paciente de 57 anos com um adenoma gigante não produtor e um outro paciente de 38 anos com um volumoso craniofaringeoma predominantemente cístico. Como complicações tivemos duas meningites pós-operatórias curadas com antibioticoterapia e três fístulas pós-cirúrgica que foram reoperadas. Dois pacientes desenvolveram diabetes insípidus permanente. As vantagens desta técnica são representadas por um acesso mais fácil, melhor iluminação e visualização da lesão, mais fácil distinção entre tumor e hipófise normal, redução do tempo de hospitalização e dos custos hospitalares. As desvantagens são a diminuição da profundidade de campo, a necessidade de constante controle do endoscópio e a necessidade de maior experiência com as técnicas de endoscopia.
Palavra-chave adenoma
aspergillus
complications
endoscopy
mucocele
pituitary gland
sphenoid sinus
sella turcica
adenoma
aspergilose
complicações
endoscopia
hipófise
mucocele
seio esfenoidal
sela túrcica
Idioma Português
Data de publicação 2003-09-01
Publicado em Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 61, n. 3B, p. 836-841, 2003.
ISSN 0004-282X (Sherpa/Romeo)
Publicador Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Extensão 836-841
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2003000500024
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-282X2003000500024 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1836

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-282X2003000500024.pdf
Tamanho: 75.20KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta