Caracteristicas epidemiologicas, clinicas e fatores de co-morbidade em criancas portadoras de cardiopatias congenitas, com admissao hospitalar em Belem do Para

Caracteristicas epidemiologicas, clinicas e fatores de co-morbidade em criancas portadoras de cardiopatias congenitas, com admissao hospitalar em Belem do Para

Título alternativo Epidemiological and clinical characteristics and comorbidity factors in children with congenital herat disease with hospital admission in Belem - Para
Autor Moraes, Anabela do Nascimento Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O objetivo deste estudo retrospectivo foi determinar as caracteristicas epidemiologicas e clinicas em criancas portadoras de cardiopatias congenitas internadas na Fundacao Santa Casa de Misericordia do Para, identificando os fatores de co-morbidade e correlacionando com os diversos grupos de cardiopatias e com suas variaveis evolutivas (70 associacoes) considerando-se 3 grupos etarios: 0 a 28 dias (grupo A), 29 a 730 dias (grupo B) e maiores de 730 dias (grupo C). A casuistica foi constituida de 282 registros hospitalares, entre janeiro de 1999 a setembro de 2001. Todos os pacientes foram avaliados por um unico pesquisador (cardiologista pediatrico) e todos realizaram ecocolordopplercardiograma. Dentre os resultados obtidos 29,4 por cento (83/282) dos pacientes eram do grupo A e 53,5 por cento (151/282) do B. A media do tempo diagnostico foi de cinco dias para o grupo A e superior a 100 nos demais grupos. 0 sopro cardiaco foi auscultado em 53 por cento dos casos no grupo A e os sinais de ICC observados em 47,7 por cento no grupo B. Em todas as idades a comunicacao interventricular e interatrial foram as anomalias mais frequentes, seguidas da persistencia do canal arterial e da tetralogia de Fallot representando 67,3 por cento das criancas afetadas. As cardiopatias complexas mostraram maior significancia estatistica (p=0,002) no grupo B na presenca de crise hipoxemica. A associacao de malformacoes e broncopneumonia foi de maior relevancia no grupo A (p=0,043). Os sinais de ICC mostraram maior significancia estatistica nos grupos B (p=0,001) e C (0,021) na presenca de broncopneumonia enquanto a cianose foi significante nos grupos A e B (p=0,000) na presenca de crise hipoxemica. A terapeutica clinica guardou maior significancia no grupo C (p=0,038) na presenca de anemia. Quanto a intervencao cirurgica apenas os grupos A (p=0,004) e B (p=0,000) foram significantes na presenca de crise hipoxemica. A mortalidade mostrou diferencas estatisticas significantes no grupo B (p=0,000) relacionado a convulsao e no grupo A (p=0,020) relacionado a septicemia. A amostragem...(au)
Palavra-chave Cardiopatias Congênitas
Criança
História
Incidência
Mortalidade
Idioma Português
Data de publicação 2002
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2002. 134 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 134 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18201

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta