Soroprevalência de anticorpos antitetânicos e antidiftéricos em resposta a reforço vacinal em mulheres em idade fértil infectadas pelo HIV-1

Soroprevalência de anticorpos antitetânicos e antidiftéricos em resposta a reforço vacinal em mulheres em idade fértil infectadas pelo HIV-1

Título alternativo Seroprevalence of tetanus and diphtherine antibodies and response to a booster dose in HIV-1 infected women in childbearing age
Autor Bonetti, Tatiana Carvalho de Souza Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Moraes-Pinto, Maria Isabel de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivos: Os objetivos deste trabalho foram verificar a soroprevalencia de anticorpos antitetanicos e antidiftericos e os niveis medios destes anticorpos em mulheres na idade fertil infectadas pelo virus da imunodefiCiência humana tipo 1 (HIV-1), comparando-os aos de mulheres nao infectadas por este virus e sadias. Alem disso, avaliamos a resposta ao reforco vacinal para aquelas mulheres que possuiam niveis de anticorpos antitetanicos e/ou antidiftericos abaixo de 0,1 UI/mL. Metodos: Foram comparados os niveis de anticorpos contra tetano e difteria em 181 mulheres infectadas pelo HIV-1 (grupo HIV) e 142 mulheres saudaveis e nao infectadas pelo HIV-1 (grupo Controle). 21 mulheres do grupo HIV e 13 do grupo Controle receberam um reforco com a vacina dT e seus niveis de anticorpos foram avaliados apos esta medida. As dosagens de anticorpos antitetanicos e antidifftericos foram realizadas atraves de ELISA duplo antigeno. Resultados: Na primeira etapa do estudo, os niveis medios de anticorpos antitetanicos e antidiftericos do grupo HIV eram significantemente inferiores aos do grupo Controle (tetano: 1,15 x 4,14 UI/mL, teste t de Student: p < 0,0001; difteria: 2,42 x 5,07 UI/mL, teste t de Student: p < 0,0001). A analise de regressao linear multipla mostrou que os niveis de anticorpos antitetanicos e antidifiericos eram inferiores quando a participante pertencia ao grupo MV e eram mais elevados quando a paciente havia recebido imunizacao anterior (tetano: p < 0,001 e p = 0,002; difteria: p = 0,001 e p < 0,001, respectivamente); para tetano os niveis de anticorpos eram inferiores conforme aumentava a idade (p = 0.004) e para difteria, os niveis de anticorpos eram maiores naquelas mulheres que procediam de outros Estados do Brasil que nao o Estado de São Paulo (p = 0.003). Apos o reforco, ambos os grupos tiveram um aumento nos niveis de anticorpos antitetanicos e antidiftericos. Os niveis de anticorpos antitetanicos e antidiftericos apos uma dose da vacina dT foram mais elevados no grupo Controle do que no grupo HIV (tetano: 7,87 x 2,94 UI/mL, teste t de Student: p = 0,025; difteria: 2,94 x 0,55 UI/mL, teste t de Student: p = 0,069). Conclusoes: Mulheres infectadas pelo HIV-1 possuem niveis de anticorpos antitetanicos e antidi$ericos mais baixos quando comparadas a mulheres saudaveis e nao infectadas pelo HIV-1. Apos o reforco com a vacina dT, ambos os grupos respondem a esta medida com um aumento dos...(au)
Palavra-chave Tétano
Difteria
HIV
Imunização
Anticorpos
Idioma Português
Data de publicação 2002
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2002. 136 p. ilustab.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 136 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18060

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta