Estudo da expressao dos alelos dos receptores FcyRIIA e FcYRIIIB em pacientes com purpura trombocitopenica imunologica

Estudo da expressao dos alelos dos receptores FcyRIIA e FcYRIIIB em pacientes com purpura trombocitopenica imunologica

Título alternativo Study of expression of Fc gama IIA and FC gama IIIB receptors in patients with immune thrombocytopenic purpura
Autor Moura, Andreia Andreozi Alcantara Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Introdução: Purpura trombocitopenica imunologica e uma doenca auto-imune de etiologia desconhecida. Auto-anticorpos sao produzidos contra plaquetas, resultando na remocao de plaquetas opsonizadas atraves do sistema reticulo-endiotelial (SER). A destruicao de plaquetas sensibilizadas por anticorpos e devido a receptores para a porcao Fc da IgG (FcgR), presente nos macrofagos do SER. Os receptores Fcg (FCgR) promovem um importante elo de ligacao entre a imunidade humoral e celular. Os genes dos receptores de baixa afinidade a IgG e suas isoformas, chamados, FcyR11A, FcgRIIIA, FcgRlll e SH-FcgRIIIB estao localizados numa estreita proximidade no cromossomo 1q23-24. Os alelos variantes podem diferir na atividade biologica e um numero grande de estudos relataram a frequencia dos alelos variantes em doencas e em populacoes controles. Casuistica e metodos: Nos analisamos, por PCR com Oligonucleotides alelo-especificos, 80 pacientes com PTI e 136 doadores de sangue para os seguintes loci: FcgR11A e FcgRIlIB, incluindo o FcgRI11B-SH. Resultados: A frequencia dos alelos do FcgRIIA e FcgRIIIB, incluindo o SH em pacientes com PTI foi similar a observada em doadores de sangue brasileiros e mostrou uma alta prevalencia de heterozigotos para o FcgRIIA (57,5 por cento para PTI e 48,5 por cento para doadores de sangue), FcgRI11B (75 por cento para PTI e 80,1 por cento para doadores de sangue) e SH (7,55 para PTI e 5,9 por cento para doadores de sangue). A distribuicao dos alelos nao diferiu entre os varios grupos de pacientes, separados de acordo com a gravidade da doenca. Alem disso, foi detectado o gene SH em ambos os doadores de sangue NA1/NA2 e NA1/NA1. Conclusao: Embora a PTI seja uma doenca auto-imune, mediada pelos FcR, nao encontramos nenhuma associacao dos alelos dos genes FcgRIIA e FcgRIIIB com uma evolucao desfavoravel da doenca. No geral, os dados indicam que a distribuicao dos alelos entre pacientes com PTI e doadores de sangue e comparavel a distribuicao observada em americanos brancos e europeus, mas e diferente em relacao a indios da Amazonia, japoneses e chineses. Essas observacoes sublinham as sutis diferencas entre populacoes com etnias diferentes
Assunto Receptores de IgG
Polimorfismo Genético
Púrpura Trombocitopênica
Plaquetas
Idioma Português
Data 2002
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2002. 69 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 69 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/18019

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta