Enzimas proteolíticas no veneno de aranha marrom (Gênero Loxosceles): identificação, caracterização bioquímica e sua relevância biológica

Enzimas proteolíticas no veneno de aranha marrom (Gênero Loxosceles): identificação, caracterização bioquímica e sua relevância biológica

Título alternativo Proteolitic enzymes in brown spiders venoms(Loxosceles genus): identification, biochemical characterization and its biological significance
Autor Silveira, Rafael Bertoni da Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Dietrich, Carl Peter von Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Os acidentes envolvendo aranhas marrons (genero Loxosceles) tem sido descritos como causadores de dois sinais clinicos distintos de grande importancia medica. As lesoes na pele, caracterizadas inicialmente por uma reacao inflamatoria que progride para uma lesao dermonecrotica com espalhamento gravitacional, e os efeitos sistemicos compostos por desordens hematologicas como anemia hemolitica, trombocitopenia e coagulacao intravascular disseminada, bem como outros disturbios como falencia renal, febre, fraqueza, nausea e vomito. Apesar dos mecanismos moleculares pelos quais os venenos de aranhas marrons causam estes efeitos patologicos serem complexos e obscuros, eles permanecem sob continua investigacao e muitos relatos na literatura apontam para enzimas proteoliticas como importantes agentes para o desenvolvimento do loxoscelismo. A presente dissertacao e um estudo mais aprofundado da relevancia biologica e das propriedades bioquimicas das enzimas proteoliticas presentes nos venenos de aranhas marrons, bem como uma descricao do aparato produtor de veneno nestes animais. O veneno de Loxosceles intermedia contem duas serino proteases de alta massa molecular, ativadas pelo tratamento com proteases exogenas, com estreita (ou especifica) especificidade de substrato. Tambem e relatado aqui o dano aos vasos sanguineos e os efeitos trombogenicos observados durante o loxoscelismo experimental, alem de uma caracterizacao bioquimica mais detalhada da atividade fibrinogenolitica presente em venenos de Loxosceles. A glandula de veneno de L. intermedia e uma estrutura muscular de formato bulbar, diretamente conectada a quelicera da aranha. Esta glandula possui um epitelio no seu lumen, com um mecanismo holocrino de secrecao do veneno. A glandula exibe, entre o epitelio e os feixes musculares, matriz extracelular conjuntiva e membrana basal. Uma vez que as atividades proteoliticas tambem sao identificadas no extrato de glandula de aranhas marrons, com as mesmas metaloproteases com atividades gelatinolitica, fibronectinolitica e fibrinogenolitica como previamente descrito para o veneno eletroestimulado, fica evidente que estes sao componentes proprios do veneno. Este resultado responde a critica da possivel contaminacao do veneno com enzimas hidroliticas presentes nas secrecoes orais e abdominais da aranha, durante o processo de obtencao do veneno
Palavra-chave Endopeptidases
Venenos
Aranhas
Endopeptidases
Poisons
Spiders
Idioma Português
Data de publicação 2002
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2002. 102 p. ilus.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 102 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17964

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta