Controle neuroendócrino da massa óssea: mito ou verdade?

Controle neuroendócrino da massa óssea: mito ou verdade?

Título alternativo Neuroendocrine control of bone mass: myth or reality?
Autor Borba, Victoria Zeghbi Cochenski Autor UNIFESP Google Scholar
Kulak, Carolina Aguiar Moreira Google Scholar
Lazaretti-Castro, Marise Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Endocrinologia e Metabologia
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Bone remodeling is a physiologic process regulated by the interaction between the bone cells and a variety of hormones, cytokines, growth factors and inflammatory mediators. The central nervous system (CNS) has been proposed as a new regulatory element, acting through the release of neuronal messengers, which create a link between CNS and skeleton. There have been experimental and clinical evidence of neuroendocrine control of bone mass, with several factors implicated in this mechanism, including neuropeptides, neurotransmitters, leptin and others. Clinically, participation of neuroendocrine mechanisms comes from observation of bone loss in hypothalamic-pituitary disorders. More recently, leptin deficiency and leptin resistance have also been involved with bone metabolism. New studies are necessary to improve our knowledge on the relationships between these two important systems, and to establish if there is a local or systemic participation of the neuroendocrine system in bone metabolism.

O remodelamento ósseo é um processo fisiológico e altamente regulado pela interação entre as células ósseas e uma variedade de hormônios sistêmicos, citoquinas, fatores de crescimento e mediadores inflamatórios. O sistema nervoso está sendo proposto como um novo elemento regulador, que, agindo através da liberação de mensageiros neuronais, promoveria a ligação entre este sistema e o esqueleto. Existe, na literatura, evidência do controle neuroendócrino da massa óssea, tanto a nível clínico como experimental, com várias substâncias tendo sido relacionadas a este controle, incluindo neuropeptídeos, neurotransmissores, leptina e outros. As evidências clínicas para o controle neuroendócrino do metabolismo ósseo provêm das disfunções hipotálamo-hipofisárias que levam a perda óssea. Mais recentemente, os estados de deficiência de leptina e de leptino-resistência também se mostraram envolvidos com o metabolismo ósseo. Novos estudos são ainda necessários para melhorar o entendimento da integração destes dois importantes sistemas e, principalmente, estabelecer se a participação neuroendócrina no metabolismo ósseo é apenas local ou sistêmica.
Palavra-chave Bone metabolism
Leptin
Growth hormone
Neurotransmitters
Neuropeptides
Metabolismo ósseo
Leptina
Hormônio de crescimento
Neurotransmissores
Neuropeptídeos
Idioma Português
Data de publicação 2003-08-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, v. 47, n. 4, p. 453-457, 2003.
ISSN 0004-2730 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Extensão 453-457
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302003000400017
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-27302003000400017 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1785

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-27302003000400017.pdf
Tamanho: 33.82KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta