Anatomia de superficie: relacoes das extremidades das costelas flutuantes

Anatomia de superficie: relacoes das extremidades das costelas flutuantes

Título alternativo Anatomy of surface: relationship of the extremities of the flotation ribs
Autor Luz, Marcius Mattos Ribeiro Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo No exercicio da profissao medica, o esculapio ao executar um procedimento intervencionista no seu paciente, muitas vezes se encontra com o dilema entre querer fazer o melhor e ter a dificuldade para a execucao deste procedimento. Nem sempre na pratica encontramos o que e descrito na teoria. Sabemos das variacoes anatomicas do corpo humano, conforme MOORE, 1994. Desta forma, quanto mais referencias o profissional tiver sobre as relacoes entre as estruturas anatomicas na projecao de superficie tanto melhor para a sua precisa localizacao. Nos textos por nos pesquisados observamos a importancia dada pelos autores sobre varios aspectos do preciso conhecimento da Anatomia de Superficie. Salientamos os aspectos clinicos, cirurgicos, neurologicos, chegando ao campo da anestesia e acupuntura. O proposito de nossa investigacao foi estudar as extremidades das costelas flutuantes e suas relacoes com as estruturas anatomicas do dorso de uma maneira morfometrica, que facilitassem as suas localizacoes precisas no ser vivo. A nossa justificativa se baseou na escassez de trabalhos sobre esse tema e devido ao fato de os tratados classicos apresentarem informacoes gerais, porem nao somatometricas. Escolhemos as relacoes anatomicas entre as extremidades das 11' e 12$ costelas, musculatura para-vertebral, linha mediana posterior, crista iliaca e as distancias destas estruturas em relacao as vertebras lombares e a crista iliaca. O estudo foi realizado em 31 cadaveres formolizados de individuos brasileiros, adultos, de ambos os sexos, pertencentes ao laboratorio da Disciplina de Anatomia Descritiva e Topografica da Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina. No estudo morfometrico, foram efetuadas diversas medicoes e os resultados foram analisados estatisticamente. As medidas LM-MEE apresentaram comportamentos bem semelhantes entre os lados. As medidas LM-MEE tiveram em media 72,58 mm, um valor minimo de 55mm e um maximo de 85 mm para o lado esquerdo e no direito 72 mm de media, 60 mm de minimo e 90 mm de maximo. As medidas LM12 apresentaram comportamentos bem semelhantes entre os lados. Existiu uma forte relacao linear entre as medidas LM12 e LMl1. As relacoes entre as demais variaveis nao se mostraram estatisticamente significantes.
Palavra-chave Costelas
Vértebras Lombares
Idioma Português
Data de publicação 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 140 p. tab. ,graf.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 140 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17653

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta