Tratamento endovascular das malformações arteriovenosas cerebrais menores que 25 mm

Tratamento endovascular das malformações arteriovenosas cerebrais menores que 25 mm

Título alternativo Endovascular treatment of brain arteriovenous malformations less than 25 mm in diameter
Autor Frudit, Michel Eli Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Cavalheiro, Sergio Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Foram encaminhados para tratamento endovascular 70 pacientes portadores de 71 malformacoes arteriovenosas cerebrais (MAV) medindo menos que 25 mm no periodo de setembro de 1996 a junho de 2000. Trinta e seis pacientes foram tratados no Servico de Neurorradiologia Diagnostica e Terapeutica do Groupe Hospitalier Pitie-Salpetriere (Paris - Franca) no periodo de setembro de 1996 a setembro de 1998 e 34 pacientes foram tratados na Disciplina de Neurocirurgia da UNIFESP/EPM no periodo de setembro de 1996 a junho de 2000. A idade dos pacientes variou entre 4 e 73 anos (media de 30,3 anos), com discreta predominancia do sexo masculino (54 por cento). O sintoma mais frequente foi hemorragia cerebral, acometendo 63,4 por cento dos pacientes, seguido de cefaleia em 15,5 por cento e epilepsia em 9,8 por cento dos pacientes. O diagnostico foi realizado atraves de tomografia e/ou ressonancia magnetica do cranio e confirmado pela angiografia por subtracao digital. Aplicando-se a classificacao de SPETZLER & MARTIN (1986), 35,2 por cento das MAV eram de grau 1; 31,0 por cento de grau 2 e 33,8 por cento de grau 3. As MAV de grau 3 apresentaram hemorragias em numero significantemente maior que as de graus 1 e 2. Todos os pacientes foram tratados por cateterismo femoral sob anestesia geral utilizando-se, na maioria das vezes, microcateteres guiados pelo fluxo e histoacrylr como material embolico em todos os casos. O resultado do tratamento demonstrou oclusao total das MAV em 78,9 por cento dos casos e em 91,1 por cento daqueles que haviam sofrido hemorragia cerebral. O numero de pediculos arteriais envolvidos na irrigacao das MAV foi determinante no sucesso do tratamento. Nas MAV irrigadas por 1 ou 2 pediculos arteriais, a oclusao total foi atingida em numero significantemente mais elevado do que nas MAV com maior numero de pediculos nutrientes. A escala de SPETZLER & MARTIN (1986) nao foi preditiva do sucesso da embolizacaoo, pois nao observamos diferencas quanto a oclusao alcancada entre os graus das MAV e as complicacoes ocorridas tambem nao se correlacionaram com o grau das MAV nessa escala...(au)
Palavra-chave Malformações Arteriovenosas Intracranianas/terapia
Embolização Terapêutica/métodos
Radiologia Intervencionista/métodos
Transtornos Cerebrovasculares/terapia
Angiografia Cerebral
Idioma Português
Data de publicação 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 207 p. ilus. ,tab. ,graf.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 207 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17646

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta