Caracterizacao funcional da proteina desacopladora mitocondrial de plantas (UCP) e sua interacao com oxidase alternativa (AOX)

Caracterizacao funcional da proteina desacopladora mitocondrial de plantas (UCP) e sua interacao com oxidase alternativa (AOX)

Título alternativo Physiological characterization of the plant uncoupling mitochondrial protein (UCP) and its interaction with the alternative oxidase (AOX)
Autor Almeida, Andrea Miyasaka de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Mitocondrias de plantas possuem dois sistemas dissipadores de energia que diminuem a efiCiência da fosforilacao oxidativa: a oxidase alternativa (AOX) insensivel ao cianeto e a proteina desacopladora (UCP). No presente trabalho estabelecemos as condicoes que permitiram determinar as contribuicoes da via dos citocromos, da AOX e da UCP na respiracao fosforilativa (estado 3) medindo-se a razao ADP/O (estequiometria entre o numero de moleculas de ADP fosforiladas por atomo de oxigenio consumido). Demonstramos que a atividade da UCP e capaz de dissipar eficientemente a energia de oxido-reducao destinada a fosforilacao do ADP de uma maneira puramente protonoforica e dependente da presenca de acidos graxos livres. Observamos que quando uma diminuicao de ate 60 por cento na velocidade de respiracao e causada por inibicao do transporte do substrato succinato para o interior da mitocondria, a contribuicao da UCP permanece constante, em contraste com a AOX que cai drasticamente a zero. Estes resultados mostram que estes dois sistemas dissipadores de energia presentes em mitocondrias de plantas, possuem uma cinetica distinta e provavelmente papeis fisiologicos diferentes in vivo. Observamos tambem que estas proteinas tem suas atividades co-reguladas por acidos graxos livres. Enquanto ativam a UCP, os acidos graxos livres, na mesma faixa de concentracao, tambem inibem a atividade da AOX de uma maneira dose dependente. Estes resultados indicam que estes dois sistemas nunca trabalham simultaneamente na sua capacidade maxima. As atividades e a expressao da AOX, UCP e da via dos citocromos tambem foram acompanhadas durante o amadurecimento de tomates na propria planta e pos-colheita. Durante o amadurecimento pos-colheita as atividades da AOX, UCP e da via dos citocromos gradativamente. Quando o tomate amadurece na propria planta, observa-se um pico na respiracao mitocondrial total que coincide com o burst climaterico da respiracao no fruto inteiro. Demonstramos que o aumento na velocidade de respiracao em mitocondrias isoladas de tomates no periodo do burst climaterio, e regulada por um aumento na atividade da via dos citocromos. Alem disso, como a quantidade de acidos graxos livres presentes no pericarpo apresenta um pico neste mesmo periodo, a UCP deve contribuir na respiracao climaterica de tomates in vivo. Por outro lado, o aumento da expressao e da atividade da AOX observados no final do processo de amadurecimento...(au)
Palavra-chave Mitocôndrias
Transferência de Energia
Plantas
Proteínas de Transporte
Temperatura Alta
Idioma Português
Data de publicação 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 119 p. ilus.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 119 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17474

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta