Acesso vascular para hemodiálise: avaliação do tipo e local anatômico em 23 unidades de diálise distribuídas em sete estados brasileiros

Acesso vascular para hemodiálise: avaliação do tipo e local anatômico em 23 unidades de diálise distribuídas em sete estados brasileiros

Título alternativo Hemodialysis vascular access: evaluation of type and local of vascular access used in 23 dialysis centers in seven brazilian states
Autor Linardi, Fábio Google Scholar
Linardi, Felipe De Francisco Google Scholar
Bevilacqua, José Luís Google Scholar
Morad, José Francisco Moron Google Scholar
Costa, José Augusto Google Scholar
Miranda Júnior, Fausto Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição PUC-SP Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Cirurgia
USF Faculdade de Medicina de Bragança Paulista
Hospital Evangélico de Sorocaba Serviço de Nefrologia
PUC-SP Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Morfologia e Patologia
PUC-SP Faculdade de Ciências Médicas
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo BACKGROUND: To demonstrate type and local of vascular access for hemodialysis used in 23 dialysis centers in seven Brazilian states. METHODS: From October 1999 to August 2000, a total of 2559 patients in 23 hemodialysis centers were studied to determine: A- the frequency of catheter utilization and arteriovenous fistulae (AVF) as a vascular access for hemodialysis .B- the types of catheters (cuffed, tunneled catheters) or acute one and the sites of choice for the insertion. C- if AVF was the access, its type (native or with insertion of polytetrafluoroethylene - PTFE) and location (distal or proximal). D- the costs with vascular access as a percentage of the total costs of the unit. RESULTS: The study showed that 93.4% of the patients had an AVF as a vascular access for hemodialysis and the remaining 6.6% had a catheter. Distal native AVF was the more frequently constructed (74.8%), while the proximal native AVF was constructed in 21.7% of the times. Insertion of PTFE reached 3.2%, saphenous vein was used in 0.1% and the others AVFs, 0.2%. Cuffed, tunneled catheters (long term catheters) were used in 8.7% and acute catheters in 91.3%. The sites of choice when using an acute catheter were the subclavian and internal jugular veins (both with 42.4% of the preference) and the femoral vein in 6.5%. The costs with a vascular access for hemodialysis reached 1% of the total costs of the unit. CONCLUSIONS: Vascular access for hemodialysis in Brazil has different aspects compared with United States of America or European data. The most frequently vascular access constructed is the distal native AVF and the use of PTFE for AVF construction is very low.

OBJETIVO: Demonstrar os acessos vasculares para hemodiálise mais utilizados em 23 unidades de hemodiálise, distribuídas em sete estados brasileiros. MÉTODO: Entre outubro de 1999 a agosto de 2000, foram avaliados 2559 pacientes em 23 unidades de hemodiálise distribuídas em 23 estados brasileiros onde foi observado: A - A freqüência da utilização do acesso vascular, se externo através de cateteres ou se interno através de fístula arteriovenosa (FAV). B - Os tipos de cateteres, se de curta permanência ou de longa permanência, assim como os locais anatômicos utilizados para sua inserção. C - Os tipos de FAV, se direta ou com interposição de algum tipo de prótese e os locais anatômicos onde foram construídas, se distais ou proximais. D - O custo financeiro com os acessos vasculares. RESULTADOS: Constatou-se que 93,4% dos pacientes tinham um acesso vascular através de FAV e 6,6% através de cateter. As FAV diretas distais foram as mais utilizadas em 74,8% dos pacientes; as FAV diretas proximais foram construídas em 21,7% das vezes; as FAV com politetrafluoretileno expandido (PTFE) 3,2% da totalidade; a veia safena foi utilizada em 0,1% e as FAV consideradas como outras em 0,2%. Os cateteres de longa permanência foram utilizados em 8,7% da totalidade dos cateteres e os de curta permanência em 91,3%. Como via de acesso a veia jugular foi utilizada em 42,4%, a veia subclávia em 42,4% e a veia femoral em 6,5%. O custo financeiro com acesso para hemodiálise foi de 1% do custo total das unidades. CONCLUSÕES: O acesso vascular no Brasil tem características próprias. O acesso mais utilizado é a FAV distal e o uso do PTFE é baixo.
Palavra-chave Renal dialysis
Hemodialysis units, hospital
Arteriovenous fistula
Catheters indwelling
Catheter
Kidney failure, chronic
Hemodiálise
Fístula arteriovenosa
Acesso vascular
Cateter
Insuficiência renal crônica
Idioma Português
Data de publicação 2003-06-01
Publicado em Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 30, n. 3, p. 183-193, 2003.
ISSN 0100-6991 (Sherpa/Romeo)
Publicador Colégio Brasileiro de Cirurgiões
Extensão 183-193
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912003000300005
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-69912003000300005 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1740

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0100-69912003000300005.pdf
Tamanho: 46.05KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta