Escherichia coli produtora de toxina Shiga: prevalencia no reservatorio animal, marcadores de virulencia e analise da estrutura clonal

Escherichia coli produtora de toxina Shiga: prevalencia no reservatorio animal, marcadores de virulencia e analise da estrutura clonal

Título alternativo Shiga toxin-producing Escherichia coli (STEC): prevalence in animal reservoir, virulence markers and analysis of clonal structure
Autor Cerqueira, Aloysio de Mello Figueiredo Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Dentre as diversas categorias diarreiagenicas de Escherichia coli, as amostras produtoras de toxina Shiga (STEC) destacam-se pela potencial letalidade, principalmente em criancas, decorrente de graves sequelas extra-intestinais e pelo importante papel de animais, especialmente bovinos, como reservatorios destas bacterias para o ser humano. Apesar da relativa baixa ocorrencia de STEC como agente de diarreia humana em nosso meio, dados previos revelaram a predominancia desta categoria em produtos carneos comercializados no Rio de Janeiro. O presente estudo buscou avaliar em relacao a STEC a sua ocorrencia em bovinos no Estado do Rio de Janeiro, caracterizar a presenca de mercadores de virulencia em amostras previamente isoladas de alimentos e analisar a possivel estrutura clonal de amostras isoladas de diferentes origens em nosso meio. Uma elevada ocorrencia de STEC foi caracterizada pela amplificacao por PCR de sequencias geneticas de stx em 71 por cento das 197 amostras fecais de bovinos analisadas, sendo maior em animais de regime leiteiro (82 por cento) quando comparada a animais de corte (53 por cento). Constatou-se ainda, apos ensaios de hibridizacao com sondas geneticas, a predominancia da presenca simultanea das toxinas Stx1 e Stx2 (58 por cento) nas amostras amplificadas. Atraves da utilizacao de meio seletivo (TC-SMAC), foi possivel o isolamento de 3 amostras STEC pertencentes ao sorotipo 0157:H7 provenientes de 3 animais distintos, sendo este o primeiro relato do isolamento de amostras deste sorotipo no Brasil. Doze amostras STEC adicionais foram obtidas a partir de amostras fecais positivas ufilizando-se um protocolo de isolamento baseado em PCR. A predominancia do genotipo stxl/stx2 foi confinada entre as amostras isoladas. A expressao da citotoxina foi caracterizada em todas as amostras a excecao de 2 pertencentes ao sorotipo 0157:H7. A caracterizacao de mercadores de virulencia foi analisada em 21 amostras STEC de origem alimentar acrescidas de 8 amostras de origem bovina (5 isoladas de animais diarreicos e as 3 amostras 0157:H7 isoladas neste estudo) e 4 amostras isoladas de criancas diarreicas. De modo geral as amostras de origem humana e animal apresentaram um perfil de virulencia compativel com aquele descrito para o subgrupo mais virulento das STEC, constituido pelas amostras enterohemorragicas (EHEC), principalmente pela presenca do gene eae, da producao de enterohemolisina e por uma interacao eficiente e caracteristica ...(au)
Palavra-chave Escherichia coli
Toxinas Biológicas
Epidemiologia
Virulência
Idioma Português
Data de publicação 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 135 p. ilustab.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 135 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16735

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta